Livros de Olga Tessaribannerolgatessari
Site Exclusivo e Oficial da Psicóloga, Psicoterapeuta, Consultora Comportamental, Pesquisadora e Escritora Olga Tessari
Você está ansioso, estressado, inseguro, com medos ou baixa autoestima? Terapia focada na solução do problema!

A difícil tarefa de educar os filhos!

* Direitos Autorais do texto- © Dra Olga Inês Tessari

*os textos do site estão registrados de acordo com a Lei de Direitos Autorais

*Veja outros textos para leitura no final da página

Os cuidados com os filhos, em geral, tem estado a cargo da mãe por uma questão histórica e cultural: ela sempre foi dona de casa e o marido passava a maior parte do tempo fora de casa trabalhando, portanto, ela é quem se tornava responsável e recorria ao pai quando sua autoridade como mãe não era respeitada (sabe aquela coisa de dizer ao filho: "já que você não faz o que eu quero, eu vou contar para o seu pai, você vai se ver com seu pai...")

Mas com a modernidade, as mulheres trabalhando fora, sem muito tempo para se dedicarem aos filhos como gostariam, a educação dos filhos deveria ser dividida entre o casal, algo que geralmente não tem acontecido, pois elas continuam a educar seus filhos e dispender seu pouco tempo disponível a eles, enquanto o pai continua na posição cômoda de voltar para casa e ver tv.

Mas este quadro tem mudado aos poucos, com muitos pais percebendo a dificuldade de suas esposas em administrar tudo dentro de casa e propondo-se a colaborar tanto nas tarefas domésticas, quanto na educação dos filhos, seja acompanhando suas lições de casa, seja dispondo de um tempo para conversar e brincar com eles.

O ideal é que a educação seja algo feito em conjunto entre pai e mãe e, principalmente, que ambos concordem entre si, pelo menos na frente das crianças. Discussões a respeito de como educar os filhos NUNCA devem ocorrer na frente das crianças, pois abrem espaço para que os filhos manipulem os pais de acordo com suas vontades. Um exemplo: o pai não deixa o filho ficar no computador até mais tarde e a mãe, com dó do filho, age no sentido de quebrar a regra imposta pelo pai. Agindo assim, ela faz o pai perder toda a sua autoridade e, pior que isso, ensina seu filho de que sempre há uma maneira de se conseguir o que deseja, criando-o sem limites, achando que pode tudo! O inverso também acontece, quando o pai, por se sentir culpado de não estar mais presente, acaba satisfazendo as vontades deles, contrariando a mãe.

Educar é dar o exemplo! Não adianta o pai falar uma coisa e fazer outra, os filhos seguem o comportamento e não as palavras! Educar também é estar presente, participar com os filhos de atividades em comum (jogar, brincar são atividades que aproximam os pais dos filhos), saber ouvir o que os filhos tem a dizer e não criticá-los pura e simplesmente, mas deixando claro que não concordam com determinadas atitudes dos filhos quando eles não agem da forma como deveriam agir, deixando espaço para o diálogo, para que eles expressem seus motivos para terem agido daquela determinada forma. Castigos funcionam somente quando os pais deixam claro o porque do castigo.

A base para uma educação efetiva está em estabelecer um vínculo afetivo duradouro e isso se faz com diálogo, convívio e respeito mútuo!

O ideal para criar e educar uma criança, que se torne um adulto seguro de si e cidadão, é que pai e mãe se relacionem bem entre si, independente de estarem casados ou não. Uma coisa é ser pai, ser mãe, outra bem diferente é ser um casal, homem-mulher, o relacionamento do casal pode acabar um dia, mas o papel de pais será pela vida afora! E é importante que estes pais, casados ou separados tenham consciência de que filhos são para a vida toda e que são os principais responsáveis pela sua educação. Portanto, brigas do casal à parte, eles devem sempre dialogar a respeito de como conduzir a educação dos filhos e o papel que cabe a cada um deles.

Em geral, os homens ainda tem dificuldade em mostrar seus sentimentos, em conviver com seus filhos, seja porque o convívio durante o casamento foi pequeno, seja porque evitam conviver com os filhos justamente para evitar qualquer contato com a ex-esposa em virtude de discussões ou conflitos que continuam após a separação.

Muitos pais até gostariam de manter um contato maior com os filhos, mas seu trabalho e seu tempo disponível nem sempre é compatível com o tempo disponível dos filhos, ou mesmo porque a lei os obriga a ver os filhos apenas a cada quinze dias, o que dificulta a construção mais efetiva dos laços afetivos entre eles ou até pela dificuldade de fazer acordos extrajudiciais com a mãe para ver os filhos em outros momentos importantes para o estabelecimento dos laços afetivos.

É comum vermos pais que, por terem dificuldade em mostrar seu afeto ou porque se sentem culpados com a separação, satisfazerem todos os gostos de seus filhos, tendo dificuldades em dizer não a eles e mimando-os excessivamente, como se isso fosse minimizar seu sentimento de culpa ou fazer com que seus filhos o amem.

Para que o pai possa estabelecer e manter um relacionamento saudável com seus filhos pela vida afora, é importante que esse contato seja de qualidade ou seja, que ele esteja presente e mantenha atividades junto com seus filhos: conversar, brincar, ver filme junto com eles, etc... Também é importante dialogar com eles a respeito do dia a dia deles, como estão na escola, verificar suas lições de casa, saber dos amiguinhos e, porque não, promover passeios junto com os filhos e os amiguinhos deles. No caso dos amiguinhos dos filhos terem pais separados, é interessante que todos estes pais se reúnam de vez em quando e troquem experiências entre eles e que estejam junto com os filhos. Uma idéia seria promover um churrasco, uma partida de futebol (time dos filhos contra o time dos pais), viagem no final de semana, etc... Saliento que, mais importante do que o tempo dispendido com os filhos, é a qualidade deste tempo com eles. Muitas vezes, meia hora de conversa e atenção exclusiva para os filhos é muito mais efetivo do que passar um dia todo sem ao menos conversar com eles, apenas embaixo do mesmo teto.


Palestras e cursos com vários temas de interesse podem ser criados especificamente para o seu grupo!

- Tratamento Psicológico para a ansiedade, autoestima, medos, insegurança, ciúme - saiba mais!-

- Vídeos sobre Ansiedade - Medos - Autoestima - Estresse - Timidez -

- Vídeos sobre Problemas de Relacionamento -

Leia abaixo outros textos relacionados ao tema:

facebook . twitter . linkedin . google

Leia os livros:

Amor X Dor
Dirija sua vida sem medo


Assine o livro de visitas

Patrocine o site!

Conheça Olga Tessari

AJUDAEMOCIONAL.COM - Site de informação, divulgação e de orientação sobre problemas do ser humano de origem emocional, respaldado em pesquisas científicas. As informações contidas nesse site têm caráter educativo e informativo e não descartam, em hipótese alguma, as consultas com um psicólogo ou um médico. Leia: Normas de Conduta - Política de Privacidade


ATENÇÃO! Todo o conteúdo desse site está registrado e protegido pela lei de direitos autorais. A cópia sem autorização é crime sujeito às penas da lei: não seja o próximo a ser processado judicialmente! Proibida a reprodução integral ou parcial, para uso comercial, editorial ou republicação na internet mesmo que citada a fonte (Inciso I Artigo 29 - Lei 9610/98). Quer publicar ou copiar os textos do site? Fale comigo


OLGA TESSARI não tem equipe, trabalha sozinha! Seus sites:
www.ajudaemocional.com - www.ajudaemocional.net - www.olgatessari.com - http://ajudaemocional.tripod.com - www.olgatessari.com.br


OLGA TESSARI não patrocina, não apoia e nem indica o kit ajuda sentimental ou qualquer outro similar - saiba a visão dela sobre isso!


Consultório: Rua Costa Aguiar, 1810 - Ipiranga - São Paulo - SP - Brasil / Tel (11) 2605-6790 / Cel: (11) 99772-9692
Mapa de localização - Formulário para contato


Copyright ©® 2001-2014 Olga Inês Tessari - Todos os direitos registrados
Não procure nos livros a razão do brilho das estrelas: olhe para o céu!