• 30 jan 17

Adolescentes e Drogas

Como e quando os jovens começam a usar drogas? Por que? Quais são os motivos?

Por: Olga Tessari
  • Adolescentes e Drogas

    O envolvimento dos adolescentes com as drogas

     

    Adolescentes  e Drogas – A Relação  Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    O programa Momento de Fé TV abordou como assunto a relação adolescente e drogas. Nessa entrevista, a psicóloga e psicoterapeuta, Olga Tessari, explica todos os questionamentos que pais e filhos fazem a si próprios sobre essa relação.

    Por que os jovens começam com as drogas? Como eles começam? Quais são os motivos? Como lidar com as mudanças causadas pela adolescência? Quais são os limites que devo impor aos meus filhos? Como evitar as drogas? Como agir, caso meu filho esteja se drogando?

    Leia esta entrevista na íntegra e descubra essas respostas que muitos pais e filhos buscam, mas não conseguem encontrar e não sabem como lidar com essas situações.

    (direito autoral das respostas  © Dra Olga Inês Tessari)

    Momento de Fé TV – Os adolescentes têm cada vez mais entrado no mundo das drogas?
    Olga Tessari – A questão das drogas é uma questão muito delicada. O problema começa dentro de casa, o jovem vem de famílias onde não existem limites, cujos pais se sentem culpados por não estarem presentes junto dos filhos: por trabalharem muito, porque permanecem a maior parte do tempo fora de casa, eles acabam satisfazendo todos ou a maioria dos desejos dos filhos em casa por conta desta culpa por não estarem presentes. O filho, por sua vez, cresce imaginando que pode conseguir tudo o que quiser!

    Quando ele se torna adolescente, por exemplo, se ele se apaixona por uma garota ou se ele quer manter uma amizade com determinadas pessoas e estas pessoas dizem não, ele vai sofrer muito. A dor do “não” que ele não aprendeu em casa, porque dentro de casa ele não teve limites, é muito grande. Muitas vezes o jovem busca as drogas para fugir desta realidade que dói muito. Ele se droga para não sentir dor, para poder superar os momentos de dor. Jovens tímidos, por exemplo, fazem uso das drogas para se sentirem integrados ao grupo, para poderem interagir melhor, para se sentirem à vontade.

    A droga serve para o jovem fugir da realidade de alguma forma e até da sua realidade de timidez. Ele costuma pensar assim: “se eu sou o tímido eu me drogo, eu fico a vontade, eu me sinto bem”, portanto a droga passa a ser uma espécie de muleta para que este jovem possa continuar seguindo a sua vida.

     

    Momento de Fé TV – Muitas famílias batem em seus filhos para impor limites. Como que a imposição de limites deve ser feita pela família?
    Olga Tessari – Não é batendo que se impõe um limite, bater é uma das últimas das últimas hipóteses. Antes disso deve existir o diálogo. O diálogo deve ser construído desde o nascimento do filho, é preciso estar sempre conversando com ele, orientando, explicando, ensinando para ele que o mundo lá fora é cheio de “não”, limitado. É importante que os pais tenham em mente que criam os filhos não para si mesmos, mas para o mundo e é preciso ensinar para ele como é o mundo lá fora.

    O filho precisa aprender as conseqüências dele ultrapassar determinados limites, isso precisa ser aprendido dentro de casa. Além disso, é preciso enumerar os motivos pelos quais se limita um filho, ele precisa ser convencido com bons argumentos. A pior coisa em um relacionamento é você determinar “pode” ou “não pode” sem justificar, isso se torna algo ditatorial. É fundamental explicar ao filho cada uma das determinações/limitações com bons argumentos para que o filho compreenda os limites!

     

    Momento de Fé TV – Quais são as principais modificações na vida de um adolescente em relação a esta fase?
    Olga Tessari – Enquanto você é uma criança, você segue todos os valores dos seus pais, você enxerga o mundo através dos olhos dos seus pais. Quando você entra na adolescência, este é o momento em que você vai deixar de lado todos estes valores que você aprendeu de seus pais, é o momento em que você vai manter contato com outros valores, experimentar uma série de coisas novas e diferentes para determinar o que você será quando se tornar um adulto.

    A adolescência é uma fase que passa, o adolescente está só experimentando. A função dos pais não é a de criticar, pura e simplesmente, a crítica aos filhos faz com que eles, de propósito, façam cada vez mais aquilo que os pais não concordam que ele faça, seria algo como uma “pirraça”. Sentar-se com o filho, conversar, dialogar, apontar para o filho o ridículo de determinadas atitudes que ele tem, vai fazê-lo se conscientizar e deixar estas atitudes e comportamentos de lado. O filho precisa sempre de bons argumentos para refletir acerca do seu comportamento e modificá-lo.

     

    Momento de Fé TV – A fase da adolescência é uma fase dos questionamentos. A personalidade se dá neste momento?
    Olga Tessari – A personalidade vem sendo construída desde o seu nascimento. Os pais é que criam os medos, você, enquanto adolescente, pode entrar num período de experimentação muito ousado, mas aqueles medos que seus pais colocaram em você ao longo da sua infância estão presentes. É importante que na educação você passe valores adequados, você sempre pense que está criando seu filho para o mundo e não para você. Meu filho não vai ser a minha cópia, a minha réplica, ele é um ser diferente de mim, então eu preciso entender o que ele considera bom para ele.

    Permita que seu filho experimente, óbvio que com exceções, mostrando o que é o certo e o errado. Se você está vendo que seu filho está caminhando para alguma coisa que vai trazer prejuízo para ele e ele não consegue enxergar, aí entra o seu papel de pai e de mãe, não vai e acabou, não vai fazer, tranca ele no quarto, deixa ele chorar, mas você deve colocar limites. Enquanto seu filho ainda não atingiu a fase adulta ele continua precisando de limites, afinal ele ainda não é um ser totalmente adulto.

     

    Momento de Fé TV – Qual a droga mais consumida pelos adolescentes?
    Olga Tessari – É o álcool, são as bebidas alcoólicas. Hoje em dia, é muito comum os jovens se sentarem e fazerem uma competição para ver quem é que vai ficar “de porre” em primeiro lugar. Os jovens não estão sentindo o prazer de beber, aquela coisa de beber socialmente, um ou dois drinques, elas bebem em grande quantidade. A bebida alcoólica é de fácil acesso, mesmo que seja proibida para menores de 18 anos, é possível comprá-la facilmente, ela é uma droga que está presente no dia-a-dia.

     

    Momento de Fé TV – A mídia tem ajudado nisso?
    Olga Tessari – A mídia colabora e muito. Vende a sensação de que você bebendo você vai ter muito prazer e você vai ser uma pessoa muito feliz, quando na verdade a bebida não te traz nada disso. É um falso prazer que ela pode te dar no primeiro momento.Por exemplo, o tímido que bebe, relaxa num primeiro momento e se sente o dono do mundo, ele começa a se comportar bem, a se sentir á vontade, mas ele não percebe o mal que toda aquela bebida alcoólica vai lhe trazer em longo prazo. Ele faz uso da bebida para se sentir bem, quando na verdade ele deveria se sentir bem sem precisar fazer uso de nenhuma substância.

     

    Momento de Fé TV – O que uma família deve fazer quando tem em sua casa um adolescente drogado?
    Olga Tessari – Em primeiro lugar, não criticar. A maioria dos pais quando descobrem que os filhos estão se drogando tentam expulsá-lo de casa ou trancá-lo dentro de casa. Não é assim que funciona. Se o filho está se drogando algum motivo tem, o primeiro passo dos pais é tentar descobrir o que está levando este filho a se drogar, se são as companhias, se ele não está feliz, se ele está com algum problema. Mesmo sendo bom e prazeroso, no primeiro momento em que o filho se droga, há algum motivo que o leva a isso. Por que é preciso fazer o uso de uma droga para ele se sentir bem? O adolescente que se droga, no fundo, muitas vezes percebe que aquele não é um bom caminho, então ele precisa de ajuda e não de crítica. Se os pais apenas o criticarem, a primeira coisa que ele vai fazer é se afastar dos pais em definitivo.

     

    Matéria publicada no site do Programa Momento da Fé por Carolina Alves em agosto/2007