• 05 jan 17

Comprar demais: dívidas

Como evitar o consumo compulsivo e fugir das dívidas?

Por: Olga Tessari
  • É fácil contrair dívidas quando nosso consumo é compulsivo, quando compramos demais, sem planejamento algum!

    Carência e baixa autoestima são alguns dos motivos que levam ao endividamento

     

    Entrevista com Olga Tessari

    Nunca foi tão fácil conseguir crédito no mercado. O resultado disso é que o brasileiro está se endividando cada vez mais.

    Cerca de 63% das famílias estão devendo e comprometem pelo menos 30% do salário com dívidas. Este é o resultado de uma pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor, realizada em abril pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). De acordo com o estudo, 8% não têm condições de quitar o saldo devedor, chegando a demorar em média 58,8 dias para pagar.

    “Há várias razões que levam uma pessoa a se endividar: desde as estritamente necessárias, ligadas à sobrevivência, até para exibir um status que não tem, para aliviar a ansiedade ou mesmo ocupar o tempo”, diz a psicóloga Olga Tessari, autora do livro “Dirija Sua Vida Sem Medo” (Ed. Letras Jurídicas).

    Comprar indiscriminadamente, a ponto de se tornar um devedor por muito tempo e sem conseguir parar, é considerado uma doença obsessivo-compulsiva chamada oneomania, que atinge principalmente as mulheres. Não se sabe ao certo o porquê, mas acredita-se que sejam fatores culturais. “O superendividamento é uma consequência da compra compulsiva. É uma característica de cada indivíduo que se apoia no externo para fortalecer a sua imagem. Pode, ainda, estar ligado à baixa autoestima e por não saber lidar com emoções negativas ou não souber dizer não a quem pede empréstimo”, avalia a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do atendimento de compradores compulsivos do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

    Geralmente, o comprador compulsivo tem, também, algum outro transtorno – como de humor, ansiedade, alimentar – ou dependência de substâncias químicas (como drogas, medicamentos ou álcool). “Comprar é gostoso. E eles vão em busca da sensação de prazer. Os problemas se acumulam e os prejuízos passam do financeiro para o familiar e social. Brigas em casa são constantes”, diz Tatiana Filomensky.

    Embora percebam que o endividamento está prejudicando a sua vida, para aliviar a ansiedade, essas pessoas compram cada vez mais. Mas não conseguem aplacar o sentimento e voltam a ter comportamento compulsivo.

    “É um círculo vicioso que traz cada vez mais sofrimento. Para resolver o problema, é preciso entender os fatores que geram a elevação da ansiedade, aprender a lidar com eles e superá-los e isso se faz com a ajuda de um psicólogo”, afirma Olga Tessari.

     

    Matéria publicada no Portal 19