• 05 fev 17

Doenças emocionais

Quando você fica muito triste, deprimido ou preocupado com algo, você fica doente?

Por: Olga Tessari
  • Doenças Emocionais

    Doenças emocionais – Sentindo na pele

     

     

    Doenças emocionais: por que elas acabam com o nosso corpo?

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Quando você fica muito triste, deprimido ou preocupado com alguma coisa, o que acontece? Você fica doente? Aparece do nada uma gripe, umas dores de estômago ou o corpo fica dolorido? Você nem imagina o que é isso, né? A gente te conta, chama somatização.

    Um cara chamado Zbigniew Lipowski (a gente também não sabe pronunciar o nome dele, fica tranquilo) foi o último a criar uma definição do termo: “a tendência a experimentar e comunicar sofrimento somático em resposta a estresse psicossocial e buscar auxílio médico por isso”.

    Agora você pergunta: “O quê?” e a gente responde: “É quando você fica estressado por causa do que acontece na sua vida e sente isso fisicamente, precisando procurar um médico pra dar um jeito nas coisas”, entendeu?

    Outro cara a falar nisso foi o alemão Wilhelm Stekel, que chamou de “Organsprache”. Os alemães são cheios de ter uma palavra que equivale a uma frase nossa e essa palavrinha, ou palavrão, quer dizer “fala dos órgãos”, que explica o mesmo que a gente disse ali em cima.

    Hoje em dia, os médicos também usam o termo “sintomas físicos sem explicação médica (SEM)”, mas fora do mundo científico ou acadêmico, as pessoas ainda chamam esse lance de ter problemas físicos por causa de um problema emocional de somatização.

     

    Como saber se eu estou somatizando?

    Se você tem sintomas de doenças sempre ao mesmo tempo em que tem problemas emocionais, é bom tomar cuidado e prestar atenção no que vem sentindo. “Conflitos que não encontram espaço para serem resolvidos na mente são transferidos para o corpo”, explica a psicóloga e psicoterapeuta Olga Inês Tessari à Revista Ciclo.

     

    Quanto tempo isso pode durar?

    Segundo a psicóloga Olga Inês Tessari, os casos em que a doença dura a vida inteira são frequentes. E a doença ainda pode evoluir para síndrome do pânico, gastrite nervosa, asma, úlcera, artrite e chegar a problemas dermatológicos ou sexuais.

     

    Como tratar?

    Em hipótese alguma você pode dizer para quem somatiza que ela tem uma doença imaginária, que faz isso pra chamar atenção ou coisas do tipo, mesmo que algumas dessas coisas sejam verdadeiras. O tratamento que pode ajudar a terminar com essas doenças não é físico, e sim psicológico. A pessoa precisa procurar um tratamento com psicólogo e cuidar da mente para que o corpo possa ser curado.

    Não é tão fácil quanto parece e você vai precisar dar todo o apoio que puder à pessoa durante o tratamento.

     

    Matéria publicada no site Jovem Ig em 16/09/2008