• 09 dez 16

Pessoas ocupadas são mais felizes?

Pesquisa aponta que pessoas ocupadas são mais felizes: a mente vazia e o tempo ocioso parecem atrair pensamentos e sentimentos ruins.

Por: Olga Tessari
  •  

    Pessoas que se mantêm ocupadas costumam ser mais felizes

     

    Entrevista com © Dra Olga Tessari

    Estudo de universidade norte-americana diz que sim, mesmo que com atividades banais.

    Mas psicóloga lembra dos benefícios do ócio, da contemplação e do trabalho prazeroso.

    Em pleno século 21, conectados 24 horas por dia, os indivíduos sonham com um tempo realmente livre, e que parece cada vez mais inatingível. Quem não deseja curtir o ócio, com a mente vazia e nenhum compromisso na agenda? Pois bem, segundo pesquisa recente realizada pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, é a mente ocupada com uma tarefa, mesmo que sem importância, que faz a pessoa mais feliz.

    Ao contrário do que muitos pensam e desejam, a mente vazia e o tempo ocioso parecem atrair pensamentos e sentimentos ruins, de acordo com o estudo da universidade norte-americana, publicado no jornal da Association for Psychological Science e difundido pela imprensa ao redor do mundo.

    Para a psicóloga e escritora Olga Tessari, esta ideia é relativa, pois nem sempre manter-se ocupado garante que a pessoa não tenha sensações e emoções negativas. “Isso funciona quando a pessoa está envolvida com tarefas que lhe tragam a sensação de se sentir produtiva ou quando a realização da tarefa lhe traz satisfação de alguma forma. Executar uma tarefa de forma mecânica ou automaticamente ou fazer algo que traz desprazer não afasta as emoções negativas: muitas vezes, por conta das emoções negativas, a pessoa nem consegue executar esse tipo de tarefa”, afirma.

    Olga Tessari lembra que momentos de ócio fazem parte da natureza de humana e podem ser bem ou mal aproveitados. “O ócio em si não é nem bom nem ruim, tudo vai depender do estado emocional da pessoa no momento: se ela está ansiosa, tensa, preocupada com algo, o ócio vai colaborar para que ela fique mais ansiosa ainda por conta da avalanche de pensamentos negativos que ela terá! Se ela está em paz consigo mesma, ela terá prazer no ócio”, garante.

    O estudo Coordenado pelo pesquisador Christopher K. Hsee, o estudo reuniu voluntários que preenchiam um questionário e, em seguida, esperavam 15 minutos antes de responder ao próximo. Os pesquisados poderiam deixar a avaliação em um lugar perto ou em outro distante, onde ficavam andando e se ocupando por um tempo. Após 15 minutos, entregavam a avaliação e ganhavam um doce. Com esta observação, os cientistas descobriram que aqueles que se mantinham ocupados caminhando pelo local mais distante chegavam mais felizes à entrega do questionário. No entanto, nem todos optaram por ir até o local mais distante. Quando os doces oferecidos eram os mesmos, as pessoas se mostravam mais propensas a permanecer ociosas. Porém, ao receberem a oferta de doces diferentes, os voluntários caminhavam até o local mais distante. De acordo com os pesquisadores, nesse caso, as pessoas tinham uma justificativa para manter-se ocupados e por isso o faziam.

    A conclusão dos cientistas é que as pessoas gostam de estar ocupadas, mas apenas se tiverem uma justificativa para isso.

    Olga Tessari, porém, faz observações sobre essas conclusões. Segundo ela, a mente ocupada daqueles que costumam ser negativos pode ser uma solução para mantê-los melhor. “Nunca paramos de pensar! Nesse sentido, aquelas pessoas que vivem ocupadas com pensamentos negativos sentem-se melhores quando se ocupam, justamente porque ocupam o seu pensamento com outras coisas. Mas isso acontece desde que a atividade seja positiva para elas”, afirma.

    Ocupado, mas não atolado 

    Para os cientistas que realizaram a pesquisa, a dica de felicidade é: “faça alguma coisa todo dia, nem que seja inútil, mas nada de se atolar de trabalho”.

    A proposta vai ao encontro da observação da psicóloga Olga Tessari, que garante que “ocupar a mente é uma forma de sair um pouco do problema ou da tristeza, seria algo como um intervalo para fazermos coisas mais prazerosas ou interessantes”.

    No entanto, a especialista lembra que “não podemos deixar de lado os momentos de ócio, de contemplação. Enfim, ocupar-se, relaxar e contemplar são facetas da vida e devem ser alternadas entre si para que se mantenha o equilíbrio emocional”.

    Matéria publicada no site Bradesco Universitários por Maria Clara Pitol