• 02 fev 17

Vencer o Medo de Dirigir

Medo das críticas, de errar e do trânsito são os fatores mais comuns do medo de dirigir.

Por: Olga Tessari
  • Vencer o medo de dirigir

    Terapia e pé no acelerador são receitas para vencer medo de dirigir

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

     

    Vencer o medo de dirigir é difícil para muitas mulheres com carro e carteira de habilitação.

    SÃO PAULO – A comissária de bordo Roberta Panisson, de 26 anos, não tem medo nenhum de avião, mas até há pouco tempo o pavor que sentia em pegar um carro nas ruas de São Paulo era grande. Ela se considera uma motorista de verdade há apenas 1 mês, depois de passar uma temporada em uma sala de terapia repleta de pessoas que têm medo de dirigir nas ruas da cidade.

    Segundo os especialistas, o receio não se restringe apenas a parar o carro numa rua íngreme ou à tradicional baliza, mas aos congestionamentos e ao movimento intenso de motocicletas – os motoboys que infestam as principais vias da cidade e circulam no meio dos carros, muitos deles dispostos a agredir motoristas que, desatentos, não abrem passagem ao enxergar a moto no retrovisor.

    “Cheguei a São Paulo com 18 anos. Vim de uma cidade pequena no Rio Grande do Sul, com apenas 15 mil habitantes, quase sem trânsito. Vi a loucura do trânsito e fiquei com muito medo de dirigir. Caminhões, buzinas, motoqueiros, tudo isso me deixou assustada. Cheguei a comprar um carro, mas não tive coragem de sair na rua”, diz Roberta.

    A comissária mora na Serra da Cantareira, na zona norte. A região é muito procurada por quem quer tranqüilidade e ar puro, mas, como muitas áreas da cidade, não tem um bom transporte público. É preciso pegar carro até mesmo para ir à padaria ou ao supermercado. O Metrô mais perto não leva menos do que meia hora de táxi.

    A psicóloga Olga Tessari, autora do livro “Dirija sua vida sem medo”, afirma que o medo faz parte da vida e funciona como um instinto de sobrevivência. No termômetro normal, serve como proteção contra perigos. Se exagerado, pode atrapalhar, e muito, a vida de uma pessoa. É preciso vencer o medo de dirigir.

    Uma vez por semana, Olga reúne um grupo de pessoas em seu consultório no Ipiranga, zona sul da capital, para sessões que tentam desmistificar o medo e incentivar os participantes a pegar um veículo nas ruas movimentadas de São Paulo.

    “Se a pessoa é insegura, ela tem receio de atrapalhar o trânsito, de fazer qualquer besteira. Muitos chegam ao consultório com outros problemas e, somente depois, percebem que o medo de dirigir é apenas a ponta do iceberg. Eu explico que deixar o carro morrer não é um grande problema. A operação dura apenas alguns segundos e, às vezes, nem atrapalha as pessoas. Tem gente que dirige olhando o retrovisor. São pessoas desconfiadas, que não querem errar porque acham que todos estão olhando para ela”, explica a psicóloga.

     

    Medo de críticas piora situação

    Para Olga Tessari, em muitos casos a própria família desestimula a dirigir. Mulheres, por exemplo, sofrem com a postura do marido, que teme a independência que um automóvel possa dar à mulher. Outros, acham que o carro da mulher deve servir, principalmente, como um segundo carro para ele próprio.

    Mulheres, com idade entre 30 e 40 anos, são o principal público das clínicas e autoescolas que se propõe a, mais do que ensinar a dirigir, dar segurança ao motorista para enfrentar o trânsito. A história é quase sempre a mesma. Elas compram o carro logo que tiram a Carteira de Habilitação, na casa dos 20 anos. Em pouco tempo, porém, acabam encostando o veículo. Depois, com a vida profissional já estabilizada, querem dirigir, mas estão ainda mais temerosas. Para algumas, dirigir é uma necessidade. Com filhos crescidinhos, a demanda por um carro cresce. Sem ele, fica mais difícil de dar conta do recado – trabalhar, levar o filho na escola, na festinha dos amigos, na natação.

    A terapia em grupo é importante para a pessoa não se sentir um ‘patinho feio’. Só de saber que tem mais gente com o mesmo problema a pessoa já se sente melhor. Um dos principais problemas é a crítica – e a autocrítica.

    “Eu me sentia invisível nas ruas e achava que iriam bater no meu carro porque não me enxergavam. Muita gente que tem medo de dirigir acaba dizendo que não gosta para não passar vexame. Agora, depois da terapia, tenho a sensação de que nunca tive medo” afirma Roberta.

    Para Roberta, enfrentar o trânsito foi a saída para vencer o medo. Ela circula pelas marginais, pela Radial Leste, pela 23 de Maio. E admite: “Tenho um pouquinho de medo de motoqueiro, mas esse não é um privilégio meu. Todo mundo tem”.

    E tem mesmo.

     

    ATENÇÃO!!!O trabalho em parceria da Dra Olga Tessari com a concessionária encerrou-se no final de 2006. A Dra Olga Tessari continua realizando o mesmo trabalho, como sempre fez, em seu consultório particular e aguarda novos patrocinadores para poder levar adiante este projeto de sucesso.

     

    Matéria publicada no site Civic Club em 7/11/2007