• 28 jan 17

Briga de irmãos

As brigas entre irmãos durante a infância são velhas conhecidas da maioria das famílias.

Por: Olga Tessari
  • Briga de irmãos

    Brigas de irmãos – como colocar um fim? 

    Entrevista com © Dra Olga Tessari

     

    As brigas de irmãos durante a infância são velhas conhecidas da maioria das famílias.

    Elas ocorrem porque o mais novo pegou um brinquedo do mais velho, sem pedir permissão, ou pelo fato de o maior estar assistindo a um desenho e o pequeno ficar atrapalhando, entre muitas outras razões. Ou seja: os motivos são os mais corriqueiros.

    A psicóloga e psicoterapeuta Olga Inês Tessari, de São Paulo, explica que essas brigas surgem primeiramente pela busca de espaço.

    “Quando a criança nasce, ela é bastante egocêntrica e, à medida que vai crescendo, acha que o mundo gira em torno dela. Então, quando chega um irmão, acredita que ele veio para tomar o espaço que antes era só dela”, disse Olga Tessari.

    Daí, um começa a delatar para os pais o que o outro fez de errado e a consequência são as encrencas por qualquer motivo. Mas quem se mete nessa briga ou toma partido sabe muito bem que só pode sair perdendo, já que, no universo infantil, não há mágoas que estraguem uma amizade de irmãos.

    Segundo Olga, é uma briga de amor e ódio. ” Ao mesmo tempo em que sente ódio, ele ama o irmãozinho. Eles brigam e, poucos minutos depois, já estão bem, brincando, conversando”, diz ela.

    Mas essas brigas também podem ser desencadeadas pela diferença que os adultos fazem entre os filhos. Se a mãe dá mais atenção à menina ou se o pai só brinca com o filho mais novo, aqui temos bons motivos para que surjam as desavenças. “Os pais devem dividir a atenção e tratar as crianças da mesma forma”, afirma.

     

    DICAS MAIS FELIZ – especialista

    Como lidar com as disputas?

    Embora os desentendimentos entre irmãos sejam normais, os pais tem papel importante para acabar com isso e fazer com que a paz reine em casa. A psicóloga Olga Inês Tessari dá orientações valiosas para lidar com a situação:

    • Nunca tomar partido diante de uma briga;

    • A conversa é sempre a melhor saída. Os pais precisam sentar com os filhos e explicar que este comportamento é errado. O castigo só deverá ser adotado se os pais já explicaram que não pode haver brigas, mas as crianças continuam insistindo com as desavenças;

    • A regra de conduta deve ser coerente para todos os filhos. Se recorrer ao castigo, melhor que seja aplicado igualmente a todos;

    • Nunca deixe que os filhos se agridam fisicamente.

     

    Agradecimentos: Olga Inês Tessari, psicóloga, site: www.olgatessari.com

     

    Matéria publicada na Revista Mais Feliz ano 3 nº 89 por Mila Mauren