• 03 mar 17

Palmada – Bater nos filhos

Lei da Palmada quer interferir na educação e conduta dos pais em relação a seus filhos.

Por: Olga Tessari
  • Bater nos filhos: palmada em xeque

     

    Congresso reacende polêmica sobre castigos e palmadas

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Xingões e puxões de orelha podem virar crimes, caso projeto de lei seja aprovado em Brasília

    O projeto de lei que proíbe aplicar castigos corporais às crianças voltou à discussão nesta semana no Congresso Nacional, forçando pais e educadores a refletir sobre a palmada. A proposta, encaminhada em julho de 2010 pelo Executivo, foi debatida na terça-feira em audiência na Comissão Especial sobre a Prática de Castigos Corporais da Câmara.

    A previsão é de que o projeto seja votado em 6 de dezembro. Se aprovado, seguirá para análise do Senado,e os pais podem ser proibidos de dar palmadas ou de causar humilhação a seus filhos. Na audiência desta semana, Daniel Issler, juiz auxiliar da presidência do Conselho Nacional de Justiça elogiou a iniciativa, mas afirmou que são necessários ajustes na proposta.

    – Ninguém de bom senso irá defender que a violência seja aceitável como forma de educação. A violência não é pedagógica. Mas a educação está muito longe de ser simples – disse o juiz.

     

    Orientação profissional sobre como agir pode ser solução

    Para especialistas, o uso de castigos corporais é prática superada. O pediatra e psicoterapeuta Hamilton Jair Estanislau, professor do departamento de saúde mental da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), observa que, se um pai recorre à palmada, é porque perdeu a autoridade. Nesse caso, a saída é buscar orientação profissional.

    – As crianças, desde muito cedo, percebem nos pais um valor de autoridade. Se passam autoridade, a criança respeita. Se não,a criança se excede e o pai recorre à agressividade – afirma.

    Tania Marques, professora de Psicologia da Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), lembra que a mensagem passada à criança pelo adulto que bate é a de que a violência é forma aceitável de resolver problemas. Segundo ela, resolve na hora porque a criança não quer apanhar, mas, em termos pedagógicos, bater não funciona: – É preciso estabelecer claramente o que é certo e o que é errado. Se a criança riscou a parede, o castigo não deve ser deixar sem televisão, deve ser limpar a parede.

    O projeto em discussão no Congresso prevê penalidades, mas a palmada não será caso de prisão.

     

    A proposta

    O projeto de lei altera o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), determinando que eles devem ser criados “sem o uso de castigo corporal ou de tratamento cruel ou degradante como formas de correção, disciplina, educação ou qualquer outro pretexto.

    O projeto define como castigo corporal a ação de natureza disciplinar ou punitiva com uso da força física que resulte em dor ou lesão. O tratamento cruel ou degradante é definido como a conduta que humilhe ou ameace gravemente os pequenos.

    As penas são de caráter educativo: advertência, encaminhamento a programas de proteção à família e orientação psicológica.

     

    Duas Entrevistas

    1. Carlos Zuma, da secretaria executiva da rede Não Bata, Eduque

    Formada por uma série de entidades de defesa à criança, a rede Não Bata,Eduque apóia a proposta de banir os castigos corporais. Leia a entrevista com Carlos Zuma:

    Zero Hora – O país está atrasado em relação aos castigos corporais?
    Carlos Zuma – Sim. Está arraigada no Brasil a ideia de que o pai pode bater. A gente vê isso até em novela. Como signatário da Convenção Internacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, o país tem obrigação de proibir os castigos corporais. Mas não é só a lei que muda a cultura, tem de mostrar formas positivas de educar.

     

    ZH – Que formas seriam essas?
    Zuma – Os pais têm obrigação de educar e disciplinar, mas confundem educação com castigo físico. Eles dizem que batem porque não querem que o filho se transforme em bandido. Queremos mostrar que existem métodos de educar sem necessitar do castigo corporal. Propomos uma educação na qual se explica à criança o que pode e o que não pode. Em última instância, recorre-se a castigos que não sejam físicos e que não humilhem, como deixar a criança cinco minutos no corredor da casa.

     

    ZH – Quais são as conseqüências do castigo corporal?
    Zuma – A criança tende a reproduzir o modelo. Nos grupos de reflexão que promovemos com homens que batem nas mulheres, 70% relatam que apanharam quando crianças ou presenciaram violência do pai contra a mãe. Quando se bate em criança, ela está sendo disciplinada, mas também aprendendo que pode responder batendo. Há várias consequências: retraimento, dificuldade de aprendizado e baixa autoestima.

     

    ZH – Adversários do projeto de lei argumentam que ele interfere em uma questão de foro íntimo.
    Zuma – Essa argumentação é estranha, a mesma que surgiu em oposição à Lei Maria da Penha. A Constituição e o ECA dizem que a responsabilidade pelo desenvolvimento das crianças não é só do pai e da mãe, mas de todos. Se há violência, não existe espaço privado.

     

    2. Olga Inês Tessari, psicóloga e escritora

    A psicóloga Olga Inês Tessari, de São Paulo, vocaliza o pensamento de muitos pais brasileiros que se sentem acossados pelo projeto de proibir os castigos corporais. Confira a entrevista:

    Zero Hora – Quais são as objeções que a senhora faz à proposta de proibir castigos corporais?
    Olga Inês Tessari – Essa lei interfere na educação que os pais dão aos filhos. É óbvio que, se existem pais que agridem, temos de proteger a criança. Mas é um exagero proibir o pai de dar uma palmadinha, para colocar limite, nas situações em que falar não adianta mais ou quando a criança não entende o sentido das palavras, até por causa da idade. Muitas vezes, uma palmadinha na mão para entender que não se pode fazer alguma coisa é o suficiente para resolver. Temos de conter a violência, é claro, do pai que descarrega suas neuroses e raivas no filho.

     

    ZH – A senhora acredita que a lei trata de forma igual pais que agem de forma diferente?
    Olga Tessari – Exatamente.A lei nivela por baixo. Se observamos qualquer ação violenta de um pai contra a criança, temos a obrigação de denunciar. Não precisamos de lei nova.

     

    ZH – A senhora entende que a palmada pode ser educativa?
    Olga Tessari – Todo mundo levou palmada na infância e nem por isso tornou-se uma pessoa violenta e traumatizada. A palmada pode ser educativa, quando usada com parcimônia e depois que se esgotaram todos os argumentos. Não é violência. Tem de permitir isso quando for estritamente necessário, o que não significa dar palmada em qualquer caso.

     

    ZH – Proibir a palmada e punir os pais pode criar problemas dentro da família?
    Olga Tessari – Sim. Estamos criando a ditadura das crianças. Elas podem tudo, e os pais não podem nada. Os pais não vão mais poder educar direito os filhos. As crianças vão poder fazer o que querem e vão aprender que podem tudo. O que vai ser delas no futuro, quando depararem com realidade diferente fora de casa?

     

    Matéria publicada no Jornal Zero Hora em 20/11/2011