• 24 dez 16

Doenças da vida moderna

O que provocam as doenças da atualidade? As emoções interferem? Como evitá-las?

Por: Olga Tessari
  • Como evitar as doenças da vida moderna?

     

    Direito autoral das respostas © Dra Olga Inês Tessari

    A correria do dia-a-dia, o culto ao corpo e outras questões da vida moderna podem desencadear alguns problemas psicológicos e doenças, como distúrbios de ansiedade, que englobam a síndrome do pânico, as depressões, transtornos compulsivos e alimentares e o estresse.

    A melhor maneira de combater todos esses males é procurar um psicólogo, pois este profissional pode ajudar a identificar os motivos dos distúrbios. Geralmente, os tratamentos são longos, mas o resultado final é surpreendente.

    Para esclarecer mais sobre as doenças modernas, a psicóloga e psicoterapeuta Dra. Olga Tessari, concedeu entrevista exclusiva ao Informativo CNPL. Confira.

     

    Atualmente quais são os problemas psicológicos que mais atingem os brasileiros? 

    Dra Olga Tessari– Os distúrbios de ansiedade são os problemas mais comuns no brasileiro e derivam do estresse: depressão, pânico, além da compulsão alimentar e do uso de drogas que são consequências da elevação da ansiedade em níveis muito acima dos normais e aceitáveis por um longo período.

     

    Qual o melhor momento para uma pessoa procurar ajuda profissional? 

    Dra Olga Tessari– Uma pessoa deve procurar ajuda profissional sempre que perceber que sofre e não consegue, sozinha, encontrar solução para seu problema, seja ele qual for. Perceber quando não está bem (às vezes um amigo ou parente pode alertá-lo) e buscar ajuda de um profissional, evitando conselhos ou “copiar” o tratamento de amigos: só o profissional saberá dizer qual o procedimento e o tratamento adequado para o problema. Um tratamento inadequado pode agravar o problema ainda mais. Costumo dizer que psicólogos existem para auxiliar na busca dos caminhos para solucionar problemas.

     

    A Internet ajuda os pacientes a combater a doença? 

    Dra Olga Tessari – A internet pode ser considerada uma “faca de dois gumes”: Ao mesmo tempo em que esclarece e aponta os caminhos da solução, ela pode desinformar, se a pessoa consultar sites não idôneos. Por isso é importante que a pesquisa e a leitura sejam feitas em sites sérios e conceituados.

     

    Qual a diferença de depressão e estresse? Como identificá-los? 

    Dra Olga Tessari– A depressão, em última instância, significa sentir-se sem saída diante de um problema ou situação e é consequência do estresse. Na depressão, a pessoa fica apática, isola-se do convívio social e recusa qualquer tipo de tratamento, pois pensa, equivocadamente, que seu problema não tem solução. O estresse é a manifestação do corpo em represália aos abusos cometidos contra ele, seja porque a pessoa permaneceu ansiosa por um longo tempo, seja porque não respeitou as necessidades de alimentação, repouso e lazer do seu organismo. Cada pessoa manifesta o seu stress de maneira diferente: através de um distúrbio digestivo (gastrite, úlceras, intestino irritável), ou por meio de alergias, de compulsão alimentar, do pânico ou da depressão, entre outros.

     

    O que são anorexia, bulimia e compulsão alimentar? 

    Dra Olga Tessari – São distúrbios da alimentação. Anorexia é sinônimo de falta de apetite, a pessoa não sente fome nem vontade de comer, embora possa ter momentos de compulsão alimentar. No caso da bulimia, a pessoa sente fome e, muitas vezes come uma enorme quantidade de alimento, sentindo-se culpada por isso e provocando o vômito para aliviar a culpa, como se a eliminação da comida evitasse o “engordar”. Vale dizer que a compulsão alimentar é multifatorial e é preciso um acompanhamento médico e psicológico para descobrir as causas e tratá-las uma a uma.

     

    O que a senhora aconselharia para prevenir essas doenças? 

    Dra Olga Tessari – Conhecer a si mesmo e respeitar os seus limites. Saber equilibrar as suas obrigações do dia-a-dia com lazer, momentos de relaxamento, alimentação equilibrada, atividade física e paz. Não ser muito rígido consigo mesmo e não esperar a aprovação das pessoas, mas contar com sua própria aprovação.

    Entrevista concedida à CNPL – Confederação Nacional das Profissões Liberais