• 04 fev 17

Ciúme é posse?

A pessoa ciumenta sofre e causa sofrimento, tem baixa autoestima, é insegura e dependente.

Por: Olga Tessari
  • Ciúme é posse?

     

    Ciúme é posse ou um sentimento de medo de que alguém possua algo que julga pertencer?

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Segundo o psicólogo Odair J. Comino, até certo grau, o ciúme pode ser normal, pois “somos seres afetivos e carentes de atenção, temos dificuldades de lidar com a rejeição, com a troca ou algo que fira nossos sentimentos, sejam eles quais forem”.

    Para a terapeuta Marilandes Ribeiro Braga, o ciúme é algo que vem de dentro da pessoa. É um sentimento bem desagradável, que se liga à baixa autoestima e à insegurança. “Quando a pessoa gosta de alguém ou de alguma coisa, sente desejo de posse e isso induz ao ciúme. Muitas vezes, o ciúme entre os pais pode levar os filhos pelo mesmo caminho”, diz ela.

    Marilandes afirma que um pouco de ciúme faz parte de qualquer relacionamento amoroso, mas quando esse sentimento se apossa do indivíduo, torna-se patológico, doentio. “Talvez este seja o momento de buscar ajuda de especialista da área, um psicoterapeuta, pois não é muito fácil identificar quando o ciúme passa do limite”, recomenda.

    “Se analisarmos mais detalhadamente o ciúme, podemos perceber, logo de início, que não se trata de um sentimento voltado para o outro, mas sim voltado para si mesmo, para quem o sente, pois é, na verdade, o medo que alguém sente de perder o outro ou sua exclusividade sobre ele. É um sentimento egocentrado, que pode muito bem ser associado à terrível sensação de ser excluído de uma relação”, diz Eduardo Ferreira-Santos, psicoterapeuta e psiquiatra.

    Eduardo afirma que existem três tipos de ciúmes, o normal, mais comum, é a pessoa sentir-se enciumada em situações eventuais nas quais, de alguma forma, se veja excluída ou ameaçada de exclusão na relação com o outro. Nesse caso, em que a pessoa é, supostamente saudável, o sentir-se enciumado a leva a questionar-se sobre este sentimento. Ela chega a compartilhar com o outro isso e pode tirar algumas conclusões importantes sobre sua forma de ser.

    No segundo caso, a sensação permanente de angústia e instabilidade, a insegurança em relação a si mesmo e ao outro, além da fragilidade da relação afetiva, podem levar a pessoa a manter um permanente “estado de tensão”, temendo ser traída ou abandonada.

    “Qualquer sinal do outro pode significar algo e a angústia da dúvida corrói a alma de quem é ciumento. A pessoa pode até não ter ciência deste seu sentimento, permanecer em vigília o tempo todo, tensa, aflita, tomando atitudes destemperadas, sempre procurando uma forma de confirmar suas suspeitas. Isto pode ir de um sombrio ato de vasculhar bolsas e bolsos, checar ligações telefônicas e até seguir ou mandar seguir o outro pelas ruas em busca de provas de sua infidelidade. Suas reações no dia-a-dia são geralmente agressivas, acusadoras, desconfiadas, causando um grande mal-estar na relação”.

    Em uma terceira situação, ainda mais grave sob o ponto de vista de comprometimento do psiquismo, podem ocorrer situações delirantes em que a desconfiança do ciumento cede lugar a uma certeza infundada de que está mesmo sendo traído ou abandonado. “O chamado ciúme patológico, também conhecido como ´Síndrome de Otelo´, em referência ao personagem shakespeariano que sofria deste mal, pode levar a pessoa a cometer atos de extrema agressividade física, configurando aqueles casos que recheiam as crônicas policiais de suicídios e homicídios passionais”, conclui Eduardo.

    O tratamento do ciúme deve ser buscado na medida em que trouxer sofrimento para a pessoa e a mesma não conseguir lidar com a situação. A hipnose, por exemplo, é usada tanto para diagnosticar, como para descobrir de onde vem o ciúme, e buscar um melhor entendimento, como o fortalecimento da auto-estima, indica Odair.

    A pessoa ciumenta, além de causar sofrimento, também sofre muito com seu ciúme, tem baixa auto-estima, é uma pessoa insegura e dependente, deixa-se levar por sua imaginação, a qual está sempre voltada para o negativo.

    “Já vi uma infinidade de casos em que relacionamentos terminam por causa de ciúme. E, pior ainda, esta pessoa ciumenta, que causou o término deste relacionamento, será mais ciumenta ainda depois disso, o que gera um círculo vicioso sem fim, com um sofrimento cada vez maior”, acrescenta a psicóloga Olga Tessari.

    “De qualquer forma, o complexo sentimento de ciúme, longe de ser aquele condimento que torna a relação amorosa mais apetitosa, é um sentimento que leva, via de regra, ao sofrimento de quem o sente e, principalmente, de quem padece nas mãos de um ciumento desconfiado e agressivo”, finaliza Eduardo Ferreira.

    Ciúme é posse? É falsa a sensação de posse porque, segundo o ditado: “ninguém é dono de ninguém”.

     

    Matéria publicada no Jornal Barão de Mauá por Michele Pieri e Viviane Gomide em junho/2005

    Veja mais textos sobre o tema em www.olgatessari.com