• 17 jan 17

Namoro: proibição dos pais

Os pais é que são uns exagerados ou são os filhos que não sabem escolher seus amores?

Por: Olga Tessari
  • Namoro: proibição dos pais

    Namoro com a proibição dos pais. É possível namorar em paz?

    Entrevista com © Dra Olga Tessari

     

    É o que tanto deseja o casal pra lá de entusiasmado da trama: Baby e Tony. Sem o consentimento dos pais da moça, os dois têm que driblar as ordens dos “velhos” e curtir o chamego totalmente na encolha…

    Praticamente meio século já se foi desde a época em que se passa a novela, mas muita pouca coisa mudou nesse sentido. Até os dias de hoje, papais e mamães cricris ainda tocam o terror no namoro de muitos pimpolhos.

    Mas, afinal, quem tem razão nessa história toda? Os pais é que são uns exagerados, ou os filhos é que não sabem escolher seus amores?

    Segundo a psicóloga Olga Tessari, os dois lados têm um pouco de culpa no cartório!

     

    A super proteção dos pais

    “Há várias razões para os pais implicarem com os namorados que seus filhos escolhem. Para todo pai e mãe os filhos nunca crescem e, vendo-os como crianças, é claro que sempre serão reticentes quanto a um namoro, por exemplo, por considerarem seus filhos ainda muito jovens e ingênuos”, explica a psicóloga.

    E não é só isso, os “velhos” ainda custam a admitir que… Envelheceram! “Aceitar que os filhos cresceram é também perceber que o tempo passou e que eles (pais) estão envelhecendo. Isso é, muitas vezes, bastante difícil de reconhecer”, conta Olga.

    Pra completar, como os pais têm o costume de achar que sempre sabem o que é o melhor para seus filhos e formam, dentro de si, o ideal de parceiro (a) para eles, acabam sendo críticos ferrenhos de algum pretendente que não se encaixe com o modelo que eles idealizaram.

     

    O atrevimento dos filhos

    De acordo com a psicóloga, do ponto de vista dos filhos, as escolhas também podem estar relacionadas ao comportamento dos pais… “Em muitos casos, os filhos escolhem justamente pessoas que vão contra o modelo que seus pais esperam ou namoram apenas para provar aos pais que cresceram”, explica Olga Tessari.

     

    Dicas da psicóloga Olga Tessari para os pais com fama de cricris

    • Adolescentes sempre contestam seus pais e, quanto mais os pais se opuserem à escolha de seus namorados, mais os filhos agirão no sentido de manter este namoro.

    • Se os pais realmente perceberem que um determinado pretendente não é mesmo uma boa pessoa, não adianta tentar impor sua razão, mas, com calma e muito diálogo, mostrar ao filho quem ela é, nem que seja trazendo-a para o convívio familiar.

    • Por mais argumentos e explicações que os pais possam ter e por mais que tenham razão, nem sempre o filho conseguirá entender o que os leva a não aceitarem esta determinada pessoa. É preciso que os pais deleguem a responsabilidade desta escolha para o filho, mas sem criticar ou julgar, e deixar claro que ele deve arcar com as possíveis consequências como, por exemplo, o sofrimento.

    • Aceitar que os filhos cresceram e que podem divergir dos pais nos seus conceitos e escolhas é confiar na educação dada a eles e esperar que eles ajam de acordo com os seus desejos com responsabilidade. Viver é correr riscos, inclusive o risco do sofrimento. E isto não pode ser evitado, pois o sofrimento faz parte da vida e serve para aprendizado e o crescimento.

     

    Matéria publicada no site da novela “O Profeta” da Rede Globo em 03/11/2006