• 14 jan 17

Sinais da infidelidade

O fantasma da infidelidade assombra muitos casais. Saiba como evitar!

Por: Olga Tessari
  • Sinais da infidelidade

     

     

    Reconheça os sinais da infidelidade

    Entrevista com © Dra Olga Tessari

     

    Aprenda a reconhecer quando seu parceiro está sendo infiel 

    Ele não atende mais suas ligações, vive de mau humor e ainda por cima está mais vaidoso do que nunca. O fantasma da infidelidade assombra muitos casais de meia idade.

    De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Mosaico Brasil, em 2008, praticamente metade (49,5%) das mais de oito mil pessoas entrevistadas revelou já ter tido relações extraconjugais. Descubra nesse artigo os principais sinais da infidelidade, segundo especialistas.

    A traição é inevitável? Todos nós estamos sujeitos a trair e sermos traídos? Quem responde é a psicóloga e psicoterapeuta Olga Inês Tessari. Segundo ela, “a traição pode acontecer com qualquer um, depende das pessoas que estão à sua volta. Se aparece alguém que começa a me dar muito mais atenção, é bem provável que eu comece a gostar daquilo. Posso vir a trair por conta dessa atenção, desse carinho que eu não recebo em casa. Mas depende do grau de envolvimento que o parceiro tem com você. Depende de cada um. Algumas pessoas se sentem naturalmente compelidas a trair e, por respeito ao parceiro, evitam”.

    O que se perde dentro de casa, pode ser achado na rua. E é daí que uma traição pode nascer. “De certa forma, você colabora para que o outro te traia, não que a culpa seja só sua. As pessoas gostam de receber carinho, atenção, serem cuidadas. Quando ela deixa de receber isso do parceiro em casa, procura fora. A rotina e os problemas comuns do casamento, as brigas por causa de contas e filhos, também podem colaborar para o distanciamento. Se a pessoa quer atenção e carinho e o parceiro está ocupado com outra coisa, enfim, é mais provável que ela se deixe levar pela atenção que outro deposita”, argumenta Olga Tessari.

    Mentir é muito difícil. Por isso, não é raro o infiel dar pistas sobre sua infidelidade. Segundo Olga, “na maioria das vezes, a pessoa passa alguns sinais. Os mais comuns são: tomar conta do celular, deixá-lo no vibracall ou desligado arrumar-se mais, ficar mais alegre inventar atividades fora do período normal de trabalho chegar mais tarde em casa passar mais tempo fora de casa do que dentro. A pessoa ainda pode ficar mais irritada que o normal, porque tem que disfarçar, esconder sinais, ficar justificando.

    Mentir dá trabalho. Ficar mais carinhoso também pode ser um sinal. Isso acontece ou por peso na consciência ou por descobrir, com a traição, que a pessoa que a pessoa que você realmente quer ficar é a que você está. Às vezes, a traição pode até ser uma coisa boa para o casal”.

    No entanto, é preciso tomar muito cuidado ao tentar identificar esses sinais no seu parceiro. Não necessariamente eles podem revelar uma traição. “Tem o perigo de alguém que procura demais, achar coisa onde não tem nada, especialmente pessoas com baixa autoestima. Alguns casais mais ciumentos acreditam categoricamente que o outro o está traindo quando, na realidade, não está. A experiência mostra que você acaba descobrindo sem procurar, como se caísse no seu colo. Se perceber que o parceiro está se distanciando, tente reconquistá-lo. Esse é o método mais fácil. Normalmente, quando as pessoas desconfiam da traição, agem no sentido de acabar com o relacionamento, não de salvá-lo. Geram-se brigas, o clima fica pesado. Isso só colabora para a pessoa se envolver ainda mais com o amante”, sugere a especialista.

    Como já dissemos no começo do artigo, a melhor maneira de evitar que o outro busque o amor fora de casa, é dá-lo. “Se você está feliz com a pessoa que você está agora, vai procurar lá fora por quê?! Pense: se uma pessoa está feliz no casamento e um bonitão ou bonitona vem cantar, é muito mais simples avisar que está comprometida e dispensar a proposta se estiver feliz no casamento. Embora a comunicação seja importante, nenhum casal é plenamente comunicativo. A melhor coisa mesmo é promover uma relação feliz”, finaliza Olga Tessari.

     

    Matéria publicada no site Mais de 50 por Ilana Ramos em 19/12/2011