• 04 fev 17

Triângulo Amoroso

As partes envolvidas precisam aceitar as limitações que essa situação impõe a todos.

Por: Olga Tessari
  • Triângulo amoroso

    O polêmico triângulo amoroso do BBB. A força dos três foi tanta, que os outros participantes, com medo, fizeram tudo para eliminar um dos vértices.

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Um é pouco, dois é bom e três é demais. Para os participantes do Big Brother, essa máxima popular traduz a verdade. Tanto é que, hoje, um dos triângulos amorosos mais famosos dos últimos tempos, protagonizado por Fani, Íris e Diego, se desfaz, já que a caipira e o alemão estão no paredão.

    Eles não são propriamente um triângulo amoroso convencional, como explíca a psicóloga Olga Inês Tessari. “Geralmente situações assim se formam quando há um envolvimento de três pessoas, sendo que uma delas é comprometida. E só duas sabem da existência do tal triângulo”.

    No caso do reality show, a psicóloga fala que a situação é totalmente atípica. “Eles vivem confinados, com pessoas desconhecidas, em um estresse total. Então, uniram-se por algum tipo de identificação. É uma amizade muito forte, um tipo de amor”.

    Claro que cada um desempenha um papel diferente dentro dessa dinâmica amorosa. “Diego já disse que sente uma atração sexual muito forte por Fani, mas que gosta de Íris. E a Fani é interessada nele, assim como a Íris, só que de uma forma totalmente diferente”.

    Psicóloga diz que eles são muito diferentes, mas se juntaram por algum tipo de identificação

    Com a saída de um dos dois, Olga prevê que o que ficar vai procurar dentro da casa outros aliados. “Diego deve se aproximar de Flávia e pode até formar um outro triângulo com Fani. Mas não será uma relação de amor, e sim uma forma de se fortalecer dentro do jogo. É difícil de prever, mas pode acontecer, sim”.

    Já Íris, além da Fani, deve ir atrás de outras pessoas para poder interagir. Segundo a psicóloga, por mais que ela não goste de alguns participantes, vai ter que conviver, pois não será possível para ela ficar de mal, se isolar. “Eles fazem provas, tarefas, dividem coisas e vivem em grupo”.

    Se antes o triângulo formava um grupo contra ou à parte do resto da casa, isso hoje acaba. “Mas quem ficar continuará a buscar alianças”.

    Contatos pelo tel. (11) 2605-6790 www.olgatessari.com

     

    Situação pode durar muito

    Um triângulo amoroso, diz a psicóloga Olga Inês Tessari, pode se desfazer rapidamente, mas também pode se manter. Depende das pessoas e como lidam com isso. “As partes envolvidas precisam aceitar a limitação que essa situação impõe”.

    Um exemplo clássico é o da amante de um homem casado que não poderá tê-lo ao seu lado o tempo todo e que vai ter que aceitar isso porque faz parte do jogo. “Eu conheço pessoas que vivem bem assim, que acham ótimo ter um tempo livre para si mesmas e só se encontram com o amante algumas vezes na semana, por exemplo. Já há casos em que isso não acontece e que o amante está naquela relação porque quer que o outro se separe para viver ao seu lado.”

    “Assim é um pouco mais difícil do relacionamento dar certo, quando há essa pressão. Muitas vezes, a pessoa não pensa em se separar por diversas razões e foi buscar nesse triângulo uma forma de ser feliz”.

     

    Matéria publicada no Expresso Popular – Santos / ANO VI N° 1.850 – 27 de fevereiro de 2007 – Caderno Comportamento