Obsessão por beleza

Obsessão por beleza

Obsessão por beleza

Com a beleza supervalorizada e um padrão estipulado pela sociedade, muitas mulheres têm uma visão distorcida de sua própria imagem.

Entrevista com Olga Tessari

Ó beleza! Onde está tua verdade? *

*A frase é de autoria do poeta e dramaturgo inglês William Shakespeare

Costumamos admirar o que é belo, mas, dificilmente, comtemplamos a nós mesmos. Será que é pior que não nos consideremos bonitos?

Um estudo feito pelo instituto de pesquisas Ideafix, a pedido da Mentor Worldwide LLC, fabricante de produtos médicos, com 400 mulheres, de 18 a 45 anos, mostrou o quão insatisfeitas elas são com a aparência.

As de 30 a 34 anos são as menos satisfeitas com a própria beleza.

O conceito de beleza varia de cultura para cultura e ao longo do tempo

De acordo com a psicóloga, psicoterapeuta e escritora Olga Tessari, o conceito de beleza varia de cultura para cultura e tem se alterado ao longo da história.

“Na Idade Média, belas eram as mulheres gordas, que tinham condição de se alimentar em uma época em que o alimento era escasso. Num país tropical como o nosso, os corpos estão mais expostos: valoriza-se o magro como beleza e também como símbolo de saúde”, disse Olga Tessari. E continua:

“Penso que a beleza seja algo tão valorizado em nossa sociedade por conta da falta de educação, de valores e de cultura: se as pessoas fossem mais cultas, valorizariam mais a essência do que a aparência do ser humano”, complementa Olga Tessari. E segue dizendo:

“No dia a dia, a beleza de uma pessoa pode facilitar um primeiro contato, abrir portas, criar uma impressão favorável e uma predisposição positiva nas pessoas – tendemos a acreditar (falsamente) que uma pessoa é boa e inteligente simplesmente porque é bela”, disse Olga Tessari. E finaliza:

“No conceito biológico, teoricamente, o belo seria o melhor reprodutor da espécie e, por isso, é o mais valorizado”, considera ela.

Pesquisa do conceito de beleza

Com o objetivo de estimular a reflexão sobre padrões de beleza impostos pela sociedade, a marca Dove, da empresa Unilever, lançou, em 2004, a “Campanha pela Real Beleza”, em que colocou à prova a ideia que as mulheres têm sobre a própria beleza.

Em uma dos experimentos da campanha, algumas norte americanas foram convidadas a descrever detalhadamente seus rostos e, sem saber, o desenhista forense do FBI, Gil Zamora, os desenhava a partir destes detalhes. Depois, o mesmo rosto era descrito por outra pessoa.

O que perceberam foi que as próprias mulheres se descreviam enfatizando alguma característica que não gostavam como pintas, cicatrizes etc., enquanto o relato da outra pessoa era mais sutil.

O resultado foi a visão sobre a própria imagem destas mulheres era distorcida.

Visão distorcida de beleza

A psicóloga Olga Tessari acredita que a razão desse comportamento está relacionada aos valores da nossa sociedade.

“Aliado a isso, a cultura religiosa prega que devemos ser humildes, modestos e que sempre podemos melhorar, o que colabora para que a autoestima das pessoas seja diminuída”, disse Olga.

“Além disso, como dificilmente a pessoa em geral não tem a beleza perfeita que se apregoa nos meios de comunicação e que valoriza a imagem de um ideal de perfeição (corpos esculturais e rostos perfeitos), quem não se enquadra nesse padrão sente-se diminuído, não aceito ou excluído do meio social, o que faz com que se vejam mais feios do que são na realidade, justamente porque não tem o padrão de beleza ‘exigido’ socialmente”, explica Olga Tessari.

As pesquisas realizadas pela Dove sobre o assunto, divulgadas há dois anos, ouviu 6.400 mulheres de 20 países e mostrou que apesar de o índice de brasileiras que se consideram bonitas ser um pouco maior que a de outros países (14%), ainda é bastante baixo.

Em todo o mundo, mais da metade (quase 60%) das entrevistadas admitiram sentir pressão da sociedade (12%), dos amigos e família (9%), e da mídia (6%) para ser bonita e uma certa obsessão por essa beleza “perfeita”.

A ‘Campanha pela Real Beleza’ foi lançada para que mulheres de todo o mundo pudessem enxergar a própria beleza e seu potencial. A partir daí, a marca patrocinou uma pesquisa mundial para investigar como as mulheres encaravam sua beleza e reagiam à pressão dos padrões estabelecidos pela mídia.

Após seis anos do primeiro estudo sobre a real beleza, Dove voltou a campo em uma pesquisa de escala global, ‘A Verdade sobre a Real Beleza’, demonstrando que a autoestima das mulheres e a confiança nelas mesmas ainda têm muito a melhorar.

A marca conversou com mais de 6.400 mulheres, com idade entre 18 e 64 anos, de 20 países entre desenvolvidos e em desenvolvimento, incluindo 300 mulheres brasileiras ao universo.

A pesquisa revelou um paradoxo: 80% das mulheres enxergam a beleza nas outras, concordando que toda mulher tem algo que é belo, mas não conseguem reconhecer a sua própria beleza.

“A ambição de Dove é ser fonte de transformação positiva para ajudar as mulheres a abraçar a beleza individual, construindo uma autoestima positiva, inspirando-as a realizar seu pleno potencial por meio de cuidados consigo mesmas”, esclarece a gerente de marketing de Dove Masterbrand, Denise Door.

E os homens?

Olga Tessari acredita que as mulheres competem entre si em busca de quem é a mais bela, a que está mais arrumada e qual é a mais vistosa e, é por isso, que são tão críticas com sua aparência, diferente dos homens que, tradicionalmente, se importam menos com isso.

“Tanto que é comum vermos mulheres extremamente arrumadas e bem vestidas/produzidas ao lado de homens em trajes mais simples”, relata ela.

“Mas tenho observado que os homens, aos poucos, têm se preocupado mais em melhorar a sua aparência, fazendo uso de cremes, frequentando clinicas de estética, sem contar a obsessão em fortalecerem os músculos e parecerem mais fortes, muitas vezes fazendo uso de anabolizantes sem se importar com o prejuízo que provocam à saúde, importando-se apenas em parecerem mais fortes e musculosos para se sentirem ‘mais belos’”, finaliza Olga Tessari.

Obsessão por beleza

Para Olga Tessari, a busca incessante por uma aparência perfeita – que seria sinônimo de beleza na sociedade atual – muitas vezes, revela a ausência de amor próprio e de autoconfiança.

“As pessoas que não acreditam em si mesmas precisam se sentir aceitas, reconhecidas, valorizadas e necessitam de uma aprovação externa. Desta forma, buscam na manutenção de uma boa aparência – e até fazendo loucuras para se manterem belos – a segurança de se sentirem aceitos, uma vez que vivemos numa sociedade que associa beleza e aparência a pessoas de sucesso e seguras de si”, finaliza Olga Tessari.

Matéria publicada no Jornal APCD – Ano 48 – N° 679 – Novembro de 2013 por Swellyn França

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

ID37

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *