• 27 fev 17

DR: Discutir a relação

Caminho para resolver problemas e manter o diálogo do casal.

Por: Olga Tessari
  • Discutir a relação, a famosa DR, é o caminho para uma relação saudável.

     

    Muita gente foge quando o assunto é discutir a relação.

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

     

    Conversa AFIADA

    Em junho, o calendário brasileiro reserva uma data exclusiva para celebrar os casais apaixonados, o que faz deste mês o mais romântico do ano. Trocar agrados e juras de amor é mesmo uma delícia, mas nem só de presentes vive uma relação.

    Saber conversar, expor opiniões e pontos de vista, sem esquecer-se de ouvir o outro, é um passo muito importante para que o relacionamento dê certo.

    A famosa DR (discutir a relação) pode até assustar muita gente, mas é um caminho para acertar as diferenças e aprender a conviver em parceria com alguém diferente de nós. “O objetivo de uma discussão é chegar a um acordo que seja bom para ambas as partes.

    Mas a DR assusta porque, na maioria das vezes, não se chega a um consenso, o que provoca muito estresse”, explica a psicóloga Olga Tessari. Discutir a relação é um debate em busca do autoconhecimento.

    A proposta é ouvir o que o outro fala como uma opinião, e não como uma acusação. “No entanto, se o ambiente está pesado, é preciso saber usar um quebra gelo, como flores, um pequeno presente, uma gentileza ou sair para um lugar agradável e noutro, mostrando que há disposição para ouvir e debater”, ensina o psicólogo Valmir Coelho.

    Mas e quando uma das partes não está disposta a conversar? É fato que a grande maioria dos homens não pode nem ouvir falar na “temível” DR. Isso acontece porque eles não gostam de ser confrontados. Para dar certo, a mulher deve conversar com sabedoria, sem acusações.

    O maior erro da mulher é querer fazer com que o ponto de vista dela prevaleça. Muitas vezes, ela toma uma posição de mãe, dizendo de que forma o homem deve se comportar, sem ao menos ouvir o que o parceiro tem a dizer”, avalia Olga Tessari.

    Outro equivoco comum é não saber a hora certa de discutir a relação. Entender quando a DR é importante faz toda a diferença.

    Segundo a psicóloga e psicoterapeuta do Instituto de Saúde Cognitiva Aplicada (INSCA), Mariana Nogueira, alguns sinais de que a relação precisa ser debatida é quando um começa a culpar o outro pelos problemas que estão tendo, passando a não reconhecer a sua participação no conflito, sem ceder, e se apegando mais a sua posição e destruindo a relação de duas pessoas inicialmente apaixonadas. “Isso leva o casal a evitar a interação, ao invés de tentar enfrentar o problema e resolvê-lo”, conta.

    Sempre que uma das partes está incomodada é importante falar logo, para não gerar mágoas que se tornarão conflitos. Quando algo está mal resolvido, abre-se espaço para brigas. “Comunicação é a chave de todo relacionamento saudável e feliz. É provado que a maioria das relações acaba por falta de diálogo. A mulher fala 33 mil palavras por dia, o homem apenas 16 mil. Se o casal não procurar um caminho intermediário, isto é, ele tentar ouvir e ela tentar não falar demais, a relação fracassa”, analisa Valmir.

    Discutir a relação é o caminho para deixar o relacionamento sempre saudável. Esqueça os preconceitos, conversar é saber se comunicar e principalmente, saber ouvir. É através da conversa clara, aberta e franca que se constrói uma relação.

     

    Matéria publicada na Revista Sua Escolha Ano 8 – N° 60 por Ana Carolina Contri em Junho/2010