Dona de casa 2 – eu sou!

Dona de casa 2 - eu sou

Dona de casa 2 – eu sou!

Abrir mão da carreira para cuidar dos filhos e do marido pode parecer um retrocesso na vida da mulher. Mas acredite: dá para ser muito feliz assim!

Entrevista com Olga Tessari

Do lar, com muito orgulho

Quando alguém pergunta à pernambucana Elaine Silva Marinho, de 31 anos, qual é a sua ocupação, ela fala com convicção: “Sou dona de casa”. Uma resposta assim, se fosse dada no passado, não faria muito sentido nem provocaria nenhuma surpresa.

Atualmente, no entanto, algumas mulheres da idade dela têm vergonha de dizer que são “dona de casa” , pois percebem um certo tom de reprovação nos outros ao revelar que optaram por cuidar da casa, dos filhos e do marido.

“Já escutei muita crítica e também já sofri muito por causa disso”, conta Elaine. “Hoje, estou segura de que, diante das circunstâncias da vida, fiz a melhor escolha”, diz Elaine.

A história de Elaine é semelhante à de muitas donas-de-casa que cresceram depois da revolução feminista. Ela casou, teve um filho, se separou e precisou contar com a ajuda da mãe para cuidar da criança em seus primeiros anos. “Eu trabalhava de dia e estudava à noite”, conta. “Muitas vezes, nem via meu filho”.

Ao casar de novo e engravidar de seu segundo filho, resolveu não repetir a mesma experiência. Dois meses depois de voltar da licença-maternidade, pediu demissão do emprego como recepcionista de hotel. “Pagar para que outras pessoas cuidassem dos meus filhos estava consumindo quase todo o meu salário”, ela lembra. “ Preferi cuidar deles eu mesma”.

Segundo a psicóloga Olga Tessari, mulheres que tomam essa decisão sofrem hoje um tipo de pressão semelhante ao que ocorria no passado com as que decidiam trabalhar fora.

“Nadar contra a corrente sempre traz algum custo para a pessoa”, explica Olga Tessari. “Hoje em dia, quem faz essa opção sofre muito preconceito”.

Mas a psicóloga chama a atenção para o fato de que, às vezes, quando a crítica vem de outras mulheres, ela pode ser fruto de inveja. “Isso é muito comum”, afirma Olga Tessari. “No fundo, elas também gostariam de ter um marido que as sustentasse para poderem ficar cuidando da casa e da família”.

De acordo com a especialista, não existe uma escolha certa para todas as mulheres. “Depende das suas condições, das circunstâncias da vida e das suas prioridades”, ela explica.

A advogada paulista Maria Paula Machado, de 31 anos, tornou-se dona-de-casa por uma combinação de fatores.

“Ao me formar, não consegui um emprego bem remunerado. Além disso tinha um filho pequeno e mudei de cidade duas vezes por causa do trabalho do meu marido”, explica Paula.

Paula também sofreu por causa da decisão e conta que, para se defender psicologicamente das críticas feitas pelos outros, recorreu a uma postura arrogante. “Quando me perguntavam por que eu não trabalhava fora, minha resposta típica era: ‘Eu não preciso disso, tenho um marido que me sustenta’ “, conta. “Era meu coice de auto defesa”.

Segundo a psicóloga Olga Tessari, para aproveitar o que a opção de ser dona de casa tem de bom e evitar sofrimento, são necessários alguns cuidados.

O mais importante de todos, no entanto, é proteger e cultivar a autoestima. “Se você está feliz consigo mesma, enfrenta todos os obstáculos da cabeça erguida”, disse Olga Tessari. Essa é a chave da felicidade.

Dona de casa – eu sou!

Confira as dicas da psicóloga Olga Tessari para quem decide ser dona de casa

Prepare-se para as críticas

O segredo é conseguir não se abalar ao ouvi-las, mas também não reagir com agressividade a elas. E lembre-se: quem critica nem sempre tem a maturidade necessária para fazer esse tipo de julgamento.

Encontre outras pessoas

Manter-se isolada do mundo, pensando apenas na casa, é prejudicial a você e ao seu casamento. Procure conviver com outras pessoas, fazer amigos, conversar sobre temas alheios à família.

Não seja só mãe

Um erro grave é se dedicar apenas aos filhos, sem cuidar de si própria em termos físicos e intelectuais. Faça cursos, desenvolva novas habilidades, mantenha-se informada sobre o mundo, invista em cultura, faça academia. Se você se sentir feliz como mulher, tudo vai bem.

Confie em você mesma

Procure combater o medo de perder o marido e não ter como se sustentar. Na imensa maioria dos casos, quando isso acontece, a mulher consegue dar a volta por cima e percebe que o sofrimento foi em vão. Mas é bom, claro, investir em cursos e outras formas de desenvolver suas aptidões.

Matéria publicada na revista Ana Maria – Edição Nº 458 na seção “Família” em 22 de Julho de 2005 por Demetrius Paparounis

214

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro. E ela segue atendendo em seu consultório ou de forma online (pela internet) adolescentes, adultos, pais, casais e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes, cada um com sua própria definição do que é felicidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *