• 28 fev 17

Idosos – Namoro na Terceira Idade

Sexo, namoro e amor fazem bem em qualquer idade: os idosos merecem amar e ser amados!

Por: Olga Tessari
  • Idosos – Namoro na 3ª idade

     

    Sexo, namoro e amor fazem bem em qualquer idade, inclusive para os idosos

     

    É certo que com o passar do tempo o corpo sofre mudanças, mas não o suficiente para calar os desejos e guardá-los em uma gaveta. Entregar-se ao prazer traz um colorido a mais na vida em qualquer idade.

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    O sexo é um pilar da vida, independente da idade, raça, classe social. Manter a vida sexual ativa faz bem ao corpo, alivia tensões e, principalmente, mantém a auto-estima em dia. É fácil falar, o difícil é transgredir uma sociedade que, apesar de moderna, ainda mantém o preconceito em que se imagina apenas corpos jovens aptos à sexualidade.

    Até pouco tempo atrás era inadmissível perante a sociedade que uma pessoa com mais de 50 anos namorasse. O tempo passou, mas o preconceito permanece dentro e fora de casa.

    Aqui, esbarramos em três grandes problemas: a não aceitação da família, a dificuldade de iniciar um relacionamento e fatores de ordem fisiológica. “É comum a família não permitir que o idoso namore, seja porque ele esteja ‘denegrindo’ a imagem do parceiro anterior que se foi, seja porque a família tem receio de que ele se afaste do convívio por conta desta nova relação, ou até mesmo por deixar de ajudá-los (cuidar dos netos, ir ao banco, pagar contas, etc.). Assim, com medo de perder o amor dos familiares, ele se sujeita a condição de ficar só”, esclarece a psicóloga e psicoterapeuta de São Paulo, Dra. Olga Inês Tessari, autora do livro “Dirija sua vida sem medo”.

    Outro ponto é quando há resquícios de depressão. “A pessoa pensa que já cumpriu seu papel e que não precisa se relacionar com outras pessoas. Imagina que agora é hora de esperar a morte chegar”, indica a especialista Olga Tessari.

    Em outros casos, o medo impera: medo de buscar outra pessoa e enfrentar a pressão da família e o preconceito dos outros, medo da nova relação não dar certo e vir a sofrer novamente, medo dos comentários dos amigos/vizinhos e por aí vai.

    Nos casos de ordem psicológica, as mulheres sofrem mais. “Para elas, sexo é algo que se faz no escuro do quarto e sobre o qual nada se fala publicamente. Muitas reclamam de nunca terem atingido o orgasmo, que o sexo feito com o parceiro sempre foi ruim e dão graças a Deus de estarem viúvas. Justamente por esse motivo, não pensam em namorar novamente. O fato é que na época em que eram jovens, o conceito de sexo era de que o homem deveria se satisfazer sexualmente e a mulher deveria estar pronta para ter relação sexual na hora em que ele quisesse. Era uma postura servil da mulher, bem típica de uma sociedade machista, que felizmente tem mudado ao longo do tempo”, completa a Dra. Olga Tessari.

    Enfrentar os próprios medos e encarar a sociedade não é tarefa fácil, mas pode ser muito compensadora visto a importância da felicidade no dia-a-dia.

    Dona Ida, 68, de Boituva, SP, é um exemplo disto. Ela voltou a namorar o primeiro namorado, que hoje tem 76 anos, depois de passados mais de 50 anos. “Namorar é muito bom, sinto-me como se tivesse no auge dos meus 17 anos. Nós somos muito felizes juntos, minha família está do meu lado e agora tenho mais ânimo, vontade de sair… até para comer me sinto melhor. Vivo esse amor como se fosse o primeiro: quando o encontrei foi como se fosse a primeira vez”, conta.

    Não há desvantagens em iniciar um relacionamento em qualquer idade, desde que seja de interesse de ambos, que se respeitem e se aceitem como são.

    Agora, as vantagens são muitas: desde a alegria de sentir-se amado e desejado, de ter uma pessoa para somar e compartilhar e, até mesmo, de ter uma companhia no dia-a-dia. Os amantes mais maduros são os que vivenciam emoções e prazeres de forma mais intensa e plena e, ao mesmo tempo, seguras e calmas, dada a experiência adquirida ao longo do tempo. Assim, tornam-se mais estáveis e confiantes entre ambos e o relacionamento mais harmonioso e sábio.

     

    Corpo em evidência

    Com o passar dos anos, o corpo muda, transforma-se. Não quer dizer que é para pior, apenas diferente. Aceitar-se e fugir de estereótipos impostos pela mídia é a melhor maneira de lidar com o assunto, sem preocupações.

    Mudanças físicas no organismo também podem ocorrer: dificuldade de manter a ereção no homem e a vagina pouco lubrificada na mulher. “Além da reposição hormonal (sob rigoroso controle médico), a prática de exercícios físicos, a manutenção de uma dieta saudável e o equilíbrio frente aos problemas e desafios do dia-a-dia tornam a relação sexual mais rica e intensa. Em alguns casos, para que se recupere o estado de saúde sexual, é recomendado tratamentos, como o da difusão erétil (antigamente chamada impotência) com medicamentos orais facilitadores da ereção. No caso das mulheres, estima-se o surgimento de medicamentos que possam melhorar o desejo sexual”, explica o coordenador do Projeto Sexualidade com Qualidade da Associação S.A.B.E.R., Dr. Gerson Lopes.

    Para qualquer problema há uma solução, seja apresentada por um médico, terapeuta ou por você mesmo. O importante é buscar ajuda e esforçar-se para ser mais feliz, sempre.

    A única pessoa que pode mudar seus conceitos e controlar suas vontades e desejos é você mesma. Não deixe de aproveitar a vida em nenhuma fase dela. Namorar e amar faz parte e só agrega bem-estar.

     

    Matéria publicada no site Clube da Vida Moderna