Mãe e avó tem papéis diferentes

Mãe a avó tem papéis diferentes

Mãe e avó tem papéis diferentes

Os atritos entre mãe e avó

Entrevista com © Dra Olga Tessari

Mãe é mãe, avó é avó!

É consenso que as avós representam sabedoria, experiência, afeto e carinho. Mas, quando os netos entram em cena, em alguns momentos essa relação pode desandar e, de repente, explode um atrito. Nada mais natural.

De um lado, a mãe e o pai impõem uma série de regras na hora de criar os filhos. Do outro, o avô e a avó distribuem mimos que parecem colocar tudo a perder – e, às vezes, querem instituir sua própria cartilha de educação.

Mãe e avó tem papéis diferentes na relação com a criança

Para escapar dessa saia-justa, a primeira regra é conhecer a função de cada personagem na história. “Costumo dizer que o papel dos pais é educar os filhos e o dos avós é estragar os netos”, diz, brincando, a psicóloga Angélica Capelari, professora da Universidade Metodista de São Paulo. Por estragar, entenda dar carinho, amor, proteção e muitos presentes.

A psicóloga clínica Mara Pusch, da Universidade Federal de São Paulo, concorda: “A responsabilidade da educação é dos pais, e esse é um dos motivos pelos quais os netos e os avós se entendem tão bem”.

Quando essas funções estão bem claras, fica mais fácil lidar com os desafios que aparecem. Mãe é mãe, avó é avó!

Um exemplo: você não precisa se descabelar diante de uma infração cometida pela criança sob a batuta dos avós. Afinal, eles estão aí justamente para atender os caprichos dos netos e planejar, com os pequenos, perdoáveis atos de rebeldia. “Se existir respeito pelos critérios e hábitos estabelecidos pelos pais, não haverá prejuízo para a autoridade paterna”, diz Mara.

Com o tempo, você também vai descobrir que a avó – aquela figura que, inicialmente, parecia tão implicante ou dona da razão – é quase uma enciclopédia de dicas sobre a maternidade. E, convenhamos, não dá para desprezar tanta sabedoria.

“Como a avó tem mais experiência, ela pode ser uma boa fonte de consultas nos casos em que a mãe não sabe como agir com a criança”, diz a psicóloga Olga Tessari, de São Paulo.

O problema surge quando a mais velha, por se considerar pra lá de experiente, quer tomar conta da situação, não respeitando as regras da mais nova. Aí, você tem duas táticas a seguir.

Táticas para lidar com a avó

A primeira delas é procurar abrir o jogo e ter uma conversa bem franca com a avó, seja ela a sua mãe ou a sua sogra. “Explique que você aceita de bom grado os conselhos dela, mas que você mesma prefere escolher de que forma vai agir com o seu filho”, sugere Olga Tessari.

Trata-se de um diálogo difícil, principalmente porque a avó se sente muito mais experiente e, muitas vezes, não admite que a nora ou filha a confronte de alguma forma, lembra a especialista Olga Tessari. Mas, se a conversa for bem conduzida, com calma, sem ofensas e com muito amor e paciência com a avó, certamente haverá bons resultados.

Outra estratégia comum é fazer o que popularmente se chama de “ouvido de mercador” e filtrar o que diz a avó. Isso vale principalmente quando ela é do tipo que não dá brecha ao entendimento de jeito nenhum!

“Nesse caso, o recomendável é simplesmente ignorar o que a avó diz e fazer sempre do seu jeito. Mas sem nunca entrar em discussão ou provocar atritos”, aconselha Olga Tessari.

Matéria publicada no site Bebê por Carolina Chagas, com Michelle Veronese

PF513

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

AVISO! É proibida a cópia ou reprodução parcial/integral do conteúdo desse site em qualquer formato e em qualquer lugar, seja para uso comercial ou não, editorial, impresso, canal, blog, site ou rede social. Para compartilhar, use o link ou os botões de compartilhamento. A cópia sem autorização é crime sujeito às penas da lei: não seja o próximo a ser processado judicialmente! (Inciso I Artigo 29 – Lei 9610/98). Solicite sua autorização: clique aqui

Deixe um comentário