• 26 fev 17

Mentir por que, pra que?

A mentira está presente na vida de todos, desde a infância, por pequenos ou grandes motivos.

Por: Olga Tessari
  • Por que as pessoas falam mentiras?

    Mentir por que, pra que?

     

    Psicólogos dizem que toda pessoa pode mentir em alguma situação.

    Mas avisam: o preço é muito alto para quem passa dos limites

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

     

    Quem falar que nunca mentiu não é sincero. A mentira está presente na vida de todos, desde a infância, por pequenos ou grandes motivos.

    A polêmica, agora, é saber quem mente mais: homem ou mulher? E até que ponto enganar é saudável?

    Para o psicólogo e professor de relacionamento amoroso da USP Ailton Amélio da Silva, embora as mulheres pareçam mais descontraídas na arte de fingir, os dois sexos mentem de maneira igual.

    Na opinião dele, muitas vezes é até necessário mentir para evitar discórdia ou mágoas. Como exemplo, ele cita um trecho do livro “A representação do eu na vida cotidiana”, de Erving Goffman, no qual o escritor usa o teatro para explicar a utilidade da mentira nas relações sociais. “Se uma milionária come uma folha de alface em um jantar formal e seu estômago ronca de fome, as pessoas a seu lado fingem que não ouvem nada para ajudá-la a manter a pose”, diz o psicólogo, lembrando que esse tipo de atitude ocorre tanto nas camadas mais pobres como na elite endinheirada.

     

    Cerveja com os amigos

    A psicóloga e escritora Olga Tessari lembra que mentir não é só falar inverdade, mas omitir uma situação para não se prejudicar. “É comum, por exemplo, marido sair para tomar cerveja com amigos dizer à mulher que vai trabalhar até mais tarde. Ele não está fazendo nada de errado, mas, se disser a verdade, ela reclama. Pensando que ele faz hora extra, ela fica com dó e o trata bem quando ele chega.”

    Olga Tessari diz que, muitas vezes,as pessoas mentem para evitar mal maior. Mas lembra que quem mente uma vez precisa inventar outras para sustentar a história. “Ela vive em alerta, obrigada a interpretar um personagem o tempo todo. Isso gera baixa autoestima porque mostra o que não é.”

    Segundo Olga Tessari, por mais que o mentiroso se policie, em algum momento ele deixa escapar um detalhe que o desmascara. “Em boa parte dos casos, a sensação de quem é descoberto é de alívio.”

    O professor Ailton Amélio alerta que quem mente além da conta paga um preço muito alto por isso. “A pessoa fica com a vida esvaziada, perde a identidade e a auto-estima.” Situações como essas ele relata em seu livro “Relacionamento amoroso, como encontrar sua metade ideal e cuidar”.

    Há cinco anos, a peça “Por que os homens mentem mais?” faz sucesso em São Paulo com histórias de mentiras contadas por pessoas de ambos os sexos. Segundo o ator e produtor Juliano Mazurchi, o público se identifica com os personagens. “O riso é imediato e a gente sempre ouve alguém na plateia falar ‘não acredito'”, lembra. A peça é baseada no livro de Luis Fernando Veríssimo.

     

    Dicas para identificar um mentiroso

    Contradições: Mais cedo ou mais tarde, a pessoa que mente se contradiz nas informações

    Rosto: Geralmente o mentiroso faz expressões não habituais quando fala, como rir, franzir a testa, mexer o canto da boca

    Medo: Deixa transparecer que está com medo e fica se justificando a toda hora

    Gestos: Gesticula menos quando fala

    Voz: Modula menos o tom da voz que o habitual, fala de um jeito mais leve

    Olhos: Evita olhar diretamente nos olhos da outra pessoa

    Tensão: Mostra sinais de tensão em situações que não exigem

    Afeição: Fica menos afetivo e arruma desculpa na hora do sexo

     

    Matéria publicada no Diário de São Paulo por Cristina Christiano em 30/01/2010