Mudar de casa

Mudar de casa

Mudar de casa

Lar, itinerante lar

Entrevista com Olga Tessari

Lembra das aulas de História, quando ouvíamos falar dos povos nômades, que circulavam de região para região, sempre à procura do melhor lugar para fixar suas residências e aproveitar os recursos naturais? Pois é.

Apesar da evolução das civilizações e do abandono desse costume, ainda podemos encontrar por aí gente moderna que vive exatamente assim: pulando de galho em galho ao longo da vida.

São famílias inteiras movendo-se para lá e para cá, trocando de bairro, cidade e até de país, só que por um motivo diferente: o trabalho dos pais. O resultado, às vezes, pode ser não ser bem o desejado, mas não dá pra negar que tem, sim, um gostinho de aventura.

Por conta do emprego do pai, a administradora Paula Torchin se tornou uma representante típica de uma moderna família nômade, onde mudar de casa era uma constante. E olha que os destinos foram bem ecléticos.

Nas onze vezes em que se mudou, a família fez as malas para diversos cantos do Brasil, com direito a escala no exterior.

“Nasci no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Depois, fomos para o Leblon, onde moramos em dois lugares. De lá, toca pro interior do Pará. Em seguida, embarcamos para Vitória, onde também vivemos em dois apartamentos, em bairros diferentes. Logo depois, meu pai foi chamado para trabalhar durante um ano na Califórnia, então lá fomos nós”, conta Paula e continua:

“Quando retornamos, seguimos novamente para Vitória e, depois, decidimos morar outra vez no Rio de Janeiro, pela segunda vez em dois bairros diferentes. Fazendo as contas, foi praticamente uma mudança a cada dois anos!”, diz Paula, que hoje está na França, longe da família. Haja fôlego, não?

Sair de casa para viver num lugar desconhecido sempre dá um frio na espinha, mas não foi bem assim que Paula se sentiu. Na verdade, para ela, as mudanças eram motivo de diversão.

“Sempre adorei me mudar. Uma das melhores sensações, para mim, é poder entrar na nova casa e ficar pensando onde entrarão os móveis, onde será o meu canto preferido… Adoro dar uma geral nos armários, doar roupas e objetos. Gosto de colocar tudo nas caixas, etiquetar, depois abrir uma a uma no novo lar”, disse Paula.

“O prazer da descoberta, de imaginar como tudo será, me fascina e acaba me fazendo esquecer o medo”, confessa Paula, que não deixa de manter contato com os amigos que acabou deixando para trás.

“Troquei cartas com muita gente que fez parte da minha vida, durante todos esses anos. Tenho contato até com uma menina que fez comigo o maternal!”, revela Paula.

Mudar de casa

E mudar de casa não é nem um pouco fácil. Afinal de contas, dá uma trabalheira danada: é preciso desfazer toda a decoração, jogar quilos de coisas fora, organizar o que vai embora e o que será passado adiante, encaixotar tudo… Ufa! Ainda não acabou: quando chegar à nova morada vem a tarefa de organizar tudo, antes da abertura das caixas.

Só que esse é apenas o começo. Há muitos outros detalhes, e eles estão do lado de fora: as amizades, os amores, a escola e a nova vida que se vai levar.

A jornalista Andrea Ribeiro sabe muito bem disso.

“Eu sempre me adaptei facilmente, talvez até por necessidade. Ficávamos em média um ano e meio em cada endereço. Então, além de mudar muito de casa, também troquei bastante de escola. Isso era o pior. Não tenho, por exemplo, amigos de infância. Não tinha como me apegar aos coleguinhas de colégio ou ao pessoal da rua, porque sabia que, a qualquer momento, eu ia embora. Era complicado, mas nada muito traumático”, diz Andrea.

Andrea quase não precisou sair de Curitiba para bater o recorde em mudar de casa: foram 17 vezes, apenas uma para fora da cidade. Na maioria das vezes, as decisões dependiam das condições financeiras da família.

“Não tínhamos casa própria até dois anos atrás. Minha mãe era funcionária pública, estava sempre no mesmo emprego, mas meu pai era bancário e trocava muito de banco, tinha sempre novas propostas para estudar. Então, à medida que meu pai mudava de trabalho, a situação financeira também modificava, e a gente ia mudando de casa também”, disse Andrea.

“E eu passei tempos alternando entre escolas públicas e particulares. Mas a única vez em que saímos daqui foi para passar um ano e meio em Maringá”, relembra Andrea, que há um ano fez sua estreia sozinha: saiu da casa dos pais.

Pais e filhos

Na opinião da psicóloga Olga Tessari, mudar de casa ou de cidade sucessivas vezes são uma verdadeira prova de fogo para os filhos. Principalmente no que tange às amizades e ao relacionamento afetivo.

“O ser humano precisa de um círculo de amigos, de tempo para conviver com as pessoas até que os laços se fortaleçam. É ruim porque existe a dor da perda, de deixar os amigos para trás. Para se inserir em um grupo novo, já formado, principalmente na escola, é demorado”, explica Olga Tessari.

Para Olga Tessari, essa situação pode influenciar o comportamento e a personalidade, pois a sociabilidade, nesses casos, é constantemente testada.

“Ou os filhos se tornam tímidos e medrosos, com receio do que vem pela frente, ou cara-de-pau, extrovertidos e brincalhões, esforçados em se enturmar rápido e ser aceitos pelas pessoas”, disse Olga Tessari.

Segundo Olga Tessari, há um lado excelente nessa experiência. “A pessoa aprimora o convívio social, aprende mais sobre os outros, interage melhor, conhece novos lugares e descobre as diferenças culturais, de valores e de comportamento”, destaca.

E qual a parte que cabe aos pais nessa história toda? Será que existe uma maneira de tranquilizar os filhos quanto a essa vida errante?

Para Olga Tessari a melhor saída é o diálogo. “Os pais precisam explicar o verdadeiro motivo dessas várias mudanças. É preciso mostrar que, apesar dos aspectos negativos e das perdas, há um mundo inteiro de descobertas pela frente. A transição fica muito mais fácil se os filhos pensarem que pode ser uma experiência positiva para eles”, orienta.

Matéria publicada no site Bolsa de Mulher por Ana Luiza Silveira

254

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro. E ela segue atendendo em seu consultório ou de forma online (pela internet) adolescentes, adultos, pais, casais e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes, cada um com sua própria definição do que é felicidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *