Paixão da mãe pelo namorado da filha

Paixão da mãe pelo namorado da filha

Paixão da mãe pelo namorado da filha

Ficção ou realidade? Competição, medo de envelhecer?

Entrevista com © Dra Olga Tessari

Por que uma mãe se apaixona pelo namorado da filha? Que paixão é essa?

Na vida real, relações amorosas costumam render situações delicadas. E a receita tende a ficar ainda mais complicada quando adicionamos elementos de ficção – mesmo que, geralmente, a ficção use ingredientes da realidade.

Resultado dessa mistura são os inusitados e polêmicos casos amorosos dos personagens das atrizes Maitê Proença e Júlia Lemmertz nas novelas Passione e Araguaia, respectivamente. Tanto Stela – personagem de Maitê – quanto Amélia – vivida por Júlia – se envolveram com o ex-namorado da própria filha. Em ambos os casos, as mulheres buscam nos braços do ex-genro um escape para o casamento fracassado.

No caso da personagem de Maitê Proença, Stela é uma mulher que se relacionava com rapazes mais jovens à procura de sexo casual. Com essa intenção, ela acaba conhecendo o imigrante italiano Agnello (Daniel de Oliveira). Ocorre que, pouco depois, o rapaz se apaixona pela jovem Lorena (Tammy Di Calafiori), sem saber que a moça é filha de Stela.

Situação não menos complicada aconteceu com Amélia, personagem de Júlia Lemmertz em Araguaia. Fazendeira que se habituou à infelicidade no casamento, ela inicia um relacionamento com o jovem Vitor (Thiago Fragoso), mas só depois que o rapaz termina o namoro com Manuela (Milena Toscano), filha de Amélia.

Não é a primeira vez que esse tipo de drama envolvendo sogra, filha e genro é retratado numa novela (veja box abaixo). E certamente não será a última. Mas, para Nilson Xavier, autor do Almanaque da Telenovela Brasileira, é preciso tato para que o público não reaja negativamente à trama.

“Esse tipo de gancho é interessante dramaturgicamente. Se for dado um tratamento de bom gosto, acho que não assusta o telespectador”, destaca Xavier, que defende a relação de Amélia e Vitor, em Araguaia. “Vitor e Manuela já estavam separados e nenhum dos dois demonstrava mais interesse um no outro. Logo, o caminho estava livre para Amélia”.

A intérprete da personagem, Júlia Lemmertz, conta que se surpreendeu com a virada que o autor de Araguaia, Walther Negrão, provocou na vida de Amélia. “Ela era uma pessoa cheia de vazios. Esse sentimento pelo Vitor surgiu de forma sutil”, diz a atriz.

Sobre as semelhanças entre sua personagem e a Stela de Passione, Júlia acredita que é um avanço para as mulheres. “Sempre foi comum ver homens com mulheres mais novas. O público torcer para que a Amélia fique com Vitor, que é um cara mais novo, representa uma libertação”, acredita a atriz.

Autor de Passione, Silvio de Abreu é outro defensor desse tipo de envolvimento. “A relação deles (sobre Stela e Agnello) é como muitas outras, cheia de empecilhos”, destaca o novelista.

“O público torce pelos dois, mas entende a atitude de Stela de priorizar os filhos. Mais ainda depois da morte do pai e da recuperação do irmão”, destaca Silvio de Abreu.

Para a psicóloga Olga Tessari, autora do livro Dirija Sua Vida Sem Medo, os autores estão abordando um tema atual. “Os novelistas trazem à tona um assunto que faz parte do cotidiano de muitas famílias. Esse tipo de discussão é importante para que o público reflita melhor sobre essa questão e, principalmente, não julgue precipitadamente”, analisa ela.

Competição com a filha

Especialista em terapia familiar, a psicóloga Luciana de La Peña ressalta a importância de a mãe ser sincera com a filha.

“Às vezes, a mãe fica com medo de magoar e acaba não falando nada. Ela tem de conversar, ouvir e respeitar o sentimento da filha”, diz.

Luciana destaca, ainda, outro ponto importante nesse tipo de situação: uma possível necessidade de a mãe se sentir mais jovem – daí, se envolver com o genro. “Esse tipo de romance pode, sim, ocorrer pelo fato de a mãe querer se sentir jovem, competir com a própria filha”, observa Luciana.

A psicóloga Olga Tessari reforça essa ideia: “A paixão da mãe pelo namorado da filha pode ser por várias razões como a inveja da filha, competição com ela, medo de envelhecer e necessidade de provar para si mesma que ainda é jovem e que consegue seduzir homens mais novos”.

A atriz Milena Toscano, que interpreta Manuela – filha de Amélia, em Araguaia –, acredita que o fato de a relação entre a moça e o namorado já ter acabado não reduz a gravidade do romance entre a mãe e o rapaz. “Acho que Manuela não aceitará essa relação e vai acabar se revoltando”, diz a atriz.

Olga Tessari destaca um fator importante no relacionamento entre a experiente Amélia e o jovem Vitor: o amor. “Há preconceito em relação a mulheres mais velhas com homens mais jovens. De certa forma, os autores tentam mostrar que o amor pode tudo!”, diz a psicóloga. Ocorre que, na vida real, nem sempre é assim.

Matéria publicada no Jornal da Tarde – Sessão Variedades por Juliana Faddul em 27/12/2010

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Conheça mais sobre o trabalho de Olga Tessari e siga-a: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

AVISO! É proibida a cópia ou reprodução parcial/integral do conteúdo desse site em qualquer formato e em qualquer lugar, seja para uso comercial ou não, editorial, impresso, canal, blog, site ou rede social. Para compartilhar, use o link ou os botões de compartilhamento. A cópia sem autorização é crime sujeito às penas da lei: não seja o próximo a ser processado judicialmente! (Inciso I Artigo 29 – Lei 9610/98). Solicite sua autorização: clique aqui

596

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *