Perigos da vaidade excessiva

Perigos da vaidade excessiva

Perigos da vaidade excessiva

Quando a vaidade se torna mais que um pecado capital e passa a prejudicar a saúde da mulher

Entrevista com Olga Tessari

Em 2008, mais de 600 mil cirurgias plásticas foram realizadas no Brasil

A célebre frase de Vinícius de Morais: “As muito feias que me perdoem, mas beleza é fundamental” é uma das ideias que causam suas influências na mentalidade feminina no que se diz respeito à vaidade.

Se a aparência não estiver perfeita sobre os padrões estabelecidos pela maioria, então há algo de muito errado que precisa ser corrigido.

Partindo desta premissa ilusória, milhares de mulheres buscam todos os anos os consultórios de cirurgiões plásticos.

Em 2008, foram 629 mil cirurgias, dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, sendo a maior parte de cirurgias estéticas.

Não há nada demais quando se quer diminuir um “pneuzinho” ou quando o desejo é fazer uma blefaroplastia (cirurgia plástica nas pálpebras). O preocupante é quando essa necessidade intensa de modificar o próprio corpo se torna uma obsessão, ou seja, quando se torna um distúrbio psíquico denominado Transtorno da Imagem Corporal.

Além das cirurgias plásticas, alisamento progressivo dos cabelos, bronzeamento artificial e horas em academia são procedimentos mais aclamados pelo público das mais vaidosas. As consequências para o excesso dessas ações podem ser desastrosas.

A paulista Ariane Rodrigues, 23 anos, sonhava em ter cabelos lisos e se livrar para sempre da chapinha e do secador. Submeteu-se num salão de beleza a uma escova progressiva com formol, um produto perigoso, apostando que voltaria para casa com fios brilhantes e resistentes.

Resultado: gânglios inflamados durante quatro dias. Dores fortes de cabeça, náuseas e feridas no couro cabeludo.

Ariane teve de ser internada e ficou em observação durante seis horas. Precisou tomar remédios durante 20 dias e as madeixas lisas só duraram duas semanas. A estudante ainda perdeu 50% do volume do cabelo. Os fios partiram-se e ficaram desbotados.

Perigos da vaidade excessiva

A psicóloga Olga Tessari, que atua em São Paulo, debate em seu site oficial www.olgatessari.com sobre o excesso da vaidade e os perigos da vaidade excessiva, citando casos que assombram.

Há o caso de uma nutricionista que, ao atenuar a linha de expressão ao redor dos lábios, sofreu problemas com o Meta Crill, produto usado para o preenchimento.

“Ele se deslocou do local aplicado e formou dois nódulos nos lados direito e esquerdo dos lábios. Anos depois, surgiu uma inflamação terrível. Há mais de um ano, ela toma anti-inflamatórios e já passou por uma cirurgia para a retirada de um abscesso”, explica Olga Tessari.

Gastos

A necessidade constante de se ver melhor diante do espelho faz com que adolescentes de São Paulo gastem uma fortuna com roupas de grifes. “O que estimula é a aparência”, afirma a psicóloga.

O adolescente é muito influenciável. Submete-se a cada situação por achar que nada vai lhe acontecer. Não mede consequências”, disse Olga Tessari.

Olga Tessari lembra ainda que a maioria das mulheres passa pelo processo da depilação com cera mesmo sabendo as dores que vai enfrentar.

É errado ser vaidoso?

Ser vaidoso não é um erro. O excesso de vaidade é que pode prejudicar a qualidade de vida de quem entra erroneamente na paranoia de estar sempre “perfeito”.

Como o caso da socialite norte-americana Jocelyn Wildenstein, que teria gasto 2 milhões de libras, o equivalente a R$ 6 milhões, com cirurgias plásticas. Jocelyn deformou o próprio rosto e tornou-se uma aberração.

Para piorar a situação dos aficcionados por plásticas, levantamento do Conselho Regional de Medicina de São Paulo mostra que, dos médicos que cometeram erros nas cirurgias e que foram processados, apenas 6% eram especialistas.

“É um mito social. Por exemplo, a jovem pensa: para eu ser bem aceita, preciso de roupas caras, ‘estilosas’, corpo igual aos das atrizes de televisão”, disse Olga Tessari. E continua:

“A jovem precisa entender que não há necessidade de seguir os ditames da moda para ser feliz. Cada garota precisa se aceitar como é e não se deve seguir um padrão”, diz Olga Tessari.

“Quantas meninas não se depreciam ao se vestirem com roupas decotadas e quantas não possuem dinheiro para manter toda essa vaidade. É preciso se aceitar. Ter autoestima. Aprender a lidar consigo mesma”, finaliza Olga Tessari.

Matéria publicada na Folha da Bahia em 17/10/2009

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

AVISO! É proibida a cópia ou reprodução parcial/integral do conteúdo desse site em qualquer formato e em qualquer lugar, seja para uso comercial ou não, editorial, impresso, canal, blog, site ou rede social. Para compartilhar, use o link ou os botões de compartilhamento. A cópia sem autorização é crime sujeito às penas da lei: não seja o próximo a ser processado judicialmente! (Inciso I Artigo 29 – Lei 9610/98). Solicite sua autorização: clique aqui

ID512

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *