Sexualidade na adolescência

Sexualidade na adolescência

Sexualidade na adolescência

O que pediatras, psicólogos e psicoterapeutas falam a respeito da sexualidade na adolescência?

Entrevista com Olga Tessari

Educando sexualmente nossos futuros cidadãos

A área da adolescência ficou realmente esquecida. O Ministério da Saúde diz claramente que esses jovens devem ser atendidos pelo pediatra até os dezenove anos.

Com sua experiência, a pediatra e professora de pediatria da faculdade de Medicina da UFBA, Dea Mascarenhas *, afirma que ensinar não é a única função de todos os que participam da educação das crianças e dos adolescentes, é preciso acompanhar de perto suas transformações.

“Eu faço esse atendimento até hoje, só que não dá mais para atendê-los como era até os 12 anos; é preciso ver o adolescente como um todo. Saber se ele está indo bem na escola, já prevendo o adulto que ele será, analisando suas doenças físicas, psicológicas e sociais”, disse a pediatra e continua:

“Nós, médicos, professores e familiares, temos que partilhar isso também. Inclusive, hoje, já existem espaços diferenciados nas clínicas e hospitais pediátricos para atendê-los, não mais junto às outras crianças”, completa Dea.

Gravidez na adolescência

Analisando o resultado das campanhas esclarecedoras, destinadas a educar sexualmente nossos jovens, a pediatra Dea Mascarenhas, garante que não estão tendo resultado, já que tem aumentando muito o número de grávidas adolescentes.

“Eles não têm projeto de vida, chances de estudar numa boa escola, que os respeite, perspectiva de um emprego que os realize e renda frutos”, disse a pediatra.

Sexualidade na adolescência

Para a psicóloga e psicoterapeuta Olga Tessari, na maioria das vezes, as informações sobre sexualidade na adolescência chegam aos jovens através dos próprios colegas, que quase sempre desconhecem a verdade, e da mídia, nem sempre adequadas.

“Infelizmente os jovens têm receio, ficam nervosos e inseguros de tratar deste assunto com seus pais. Para muitas famílias, sexo ainda é um tema tabu e a sexualidade na adolescência não é discutida ou faz parte das conversas da família”, esclarece a psicóloga.

A erotização precoce, muitas vezes, é estimulada pelo conjunto de fatores, desde a TV até a falta de perspectivas e de uma educação relevante para sua formação. Os pais são despreparados, e é importante que o pediatra e a escola acompanhem este adolescente até sua fase adulta, que seria até os 19 anos.

Mas, a cada dia, com as consultas corriqueiras, devido a grande demanda dos consultórios e planos de saúde, e a precariedade da educação, essas crianças não recebem educação e não são preparadas para o mundo que as cerca e muito menos para entender que a sexualidade na adolescência é uma realidade.

Para a Dra. Dea, educação e saúde têm que andar juntas. “As crianças e adolescentes, mesmo que não conversando muito com os pais, já que o assunto sexualidade incomoda um pouco, devem ter respostas às suas perguntas respondidas com naturalidade, e essa orientação pode partir do médico pediatra, da professora e até de um amigo da família.”

Pais e filhos

Entre pais e filhos são discutidos temas como sexo e sexualidade, sexo seguro, problemas sexuais do homem e da mulher, prazer e orgasmo?

A pediatra Dea Mascarenhas conta que certa vez uma criança perguntou para a mãe se ela fazia sexo seguro, e a resposta da mãe foi bem objetiva e verdadeira: “Eu faço sexo seguro com seu pai sem usar camisinha, isso porque somos casados e não temos outros parceiros”.

Mas a realidade é que para se estabelecer uma comunicação sobre o assunto é necessário estar aberto para ouvir, orientar e mostrar os possíveis caminhos a serem percorridos.

Em um ambiente onde a criança e o adolescente se sentem respeitados, tratados com carinho e compreensão dificilmente não haverá o diálogo. “O jovem deve ser valorizado como uma pessoa com dignidade e valor, um ser humano que merece respeito e que deve ser aceito como ele é”, afirma a psicóloga Olga Tessari.

Dúvidas dos adolescentes

Assim como os adultos, os adolescentes têm dúvidas sobre como usar a pílula, em como negociar o uso da camisinha e como lidar com o prazer. Os problemas sexuais são comuns e pouco discutidos, já que a geração de pais na faixa dos 40 e 50 anos, teve sua adolescência marcada por muita censura ou então pela liberação sexual, muita ou nenhuma informação.

Observa-se que nem crianças e nem adolescentes estão preparados, até mesmo no início do período de descoberta do corpo, para lidar com a masturbação. P

ara a pediatra Dea, os pais devem mostrar aos filhos que a masturbação, o toque em seu próprio corpo, é um ato natural e saudável em qualquer fase da vida. “É um ato de prazer dele para ele. Não dá para ser exposto.”

A sexualidade não pode nem deve ser confundida com sexo puro e simplesmente físico; essa falta de preparação dos jovens, que muitas vezes encaram o sexo como prazer genital, não é só falta de diálogo. Muitas vezes os pais ensinam, mas eles mesmos não foram bem preparados e são infelizes.

Quem explica bem isso é o polêmico psicoterapeuta José Angelo Gaiarsa, que afirma que a humanidade continua a fazer sexo da pior forma possível. E o que aparece na TV é a banalização do sexo, mostra como não se deve fazer.

Em entrevista à revista Isto É do dia 1º de março de 2000, o psicoterapeuta Gaiarsa aconselha aos pais que no momento oportuno digam para seus filhos fazerem sexo bem devagar. “Quanto mais comprido, quanto mais carícias, melhor. Diria para ir percebendo, olhando, mexendo, brincando com calma, sem pressa, sem ansiedade.”

O bem-estar do homem comum está relacionado a aspectos como sentimentos, afeto, prazer, namoro, casamento, filhos, projetos de vida e entender, discutir e acompanhar os questionamentos e reflexões dos adolescentes é fundamental para o amadurecimento e o desenvolvimento de atitudes ao longo de suas vidas.

A sexualidade, que é intrínseca a todos nós, deve ser vista e vivida não apenas para a reprodução, e sim para nos sentirmos mais felizes e tranquilos no mundo que nos cerca.

Matéria publicada no site Mais de 50 por Mariana Monteiro

211

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro. E ela segue atendendo em seu consultório ou de forma online (pela internet) adolescentes, adultos, pais, casais e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes, cada um com sua própria definição do que é felicidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *