• 27 fev 17

Medos e Fobias

Medos e fobias podem ser trazidos da infância ou estar relacionados com ansiedade e estresse elevados.

Por: Olga Tessari
  • Medos e fobias: você tem medo de que?

     

    Medos e Fobias podem ser trazidos da infância ou estar relacionados com ansiedade e estresse

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

     

    Palhaço, barata, trânsito ou altura: você tem medo de quê?

    Um personagem que leva diversão para crianças e adultos foi capaz de desencadear uma crise de choro e até falta de ar em uma participante do Big Brother Brasil 11, no último dia 5. Bastou Janaína dos Santos ver um colega de confinamento vestido de palhaço para ter a reação. E ela não é a única. O medo incontrolável de palhaços é apenas um entre os diversos tipos de fobias conhecidas.

     

    Veja quais são os tipos de fobias mais comuns

    O psicólogo Carlos Santos diz que ao contrário do medo – que faz parte da vida de todos e é um sentimento até saudável, de alerta – a fobia é uma sensação exagerada, que pode ser combatida com a ajuda de um profissional.

    Um dos tipos mais comuns é a agorafobia, ou seja, medo de ficar na multidão. Pavor de lugares fechados, de sentir humilhação, de dirigir, de insetos e de altura também estão entre os mais frequentes. Mas a lista é muito maior, passando ainda pelo pânico causado na presença de aranhas, agulhas, vento ou flores. Segundo o psicólogo, em muitos casos, o medo incontrolável tem origem na infância e poderia ser evitado.

    Essa também é a opinião da psicóloga, psicoterapeuta e autora do livro “Dirija sua vida sem medo”, Olga Tessari. Ela enfatiza que a fobia paralisa a vida da pessoa e está relacionada ao perfil da personalidade. “Quem tem fobia, geralmente, é perfeccionista, tem medo de errar, se preocupa com a opinião das pessoas. O problema também está relacionado com o nível de ansiedade e estresse”, explica. Nos momentos de crise, não adianta forçar a pessoa a combater o que causa medo, principalmente, quando se trata de um adulto. Isso só vai aumentar o constrangimento de quem passa pela situação.

    A boa notícia é que o tratamento traz resultados positivos. A terapia comportamental cognitiva, afirma a profissional, trabalha aspectos da personalidade, aumenta a autoestima e é capaz de acabar com o medo excessivo em um período de dois a seis meses.

     

    Como combater o problema

    O que é Medo: É um sentimento que faz parte da vida de todas as pessoas e surge diante de um perigo. É uma espécie de alerta.

    O que é Fobia: Acontece quando o medo domina a pessoa. Entre os sintomas estão taquicardia, tremor, suor, falta de ar, ansiedade, dificuldade de concentração e falta de memória

     

    Como lidar com a criança

    Reação: Evite brigar demais se a criança fizer algo errado. Sempre que possível, converse para que ela possa refletir sobre o que aconteceu

    Equilíbrio: Além de chamar a atenção quando necessário, lembre-se de elogiar quando a criança faz algo certo

    Ameaças: Não ameace a criança com crenças populares como o bicho-papão como recurso para ela ficar comportada. Na infância, a criança não diferencia bem realidade e fantasia

    Medos: Não menospreze o medo da criança ou a force a esquecê-lo. Se ela tem medo de escuro, por exemplo, explique que o ambiente não muda com a falta de luz, apague a lâmpada e permaneça ao seu lado, de preferência segurando sua mão e depois acenda. Aos poucos ela vai entender que não há o que temer

     

    Como lidar com o adulto

    Crise: Diante de uma crise, não faça chacota ou tente forçar a pessoa a dominar os próprios medos. O ideal é deixar a crise passar para depois conversar

    Estresse: Estresse e ansiedade agravam os quadros de fobia

    Ajuda: Muitas vezes, quem sofre com uma fobia não sabe disso. Parentes e amigos que percebem o comportamento devem sugerir tratamento psicológico com um/a psicólogo/a de confiança.

     

    Matéria publicada no site da Rede Gazeta por Carla Nascimento em 14/02/2011