Conflitos do casal e bebês

conflitos do casal

Conflitos do casal e bebês

Estudos apontam que 70% das novas mães se sentem menos felizes no casamento durante o primeiro ano de vida do bebê

Entrevista com Olga Tessari

Relação à prova de bebês

Mesmo que planejada, a chegada de um filho pode soar como uma “bomba” na vida de um casal se os dois não estiverem em sintonia e gerar muitos conflitos do casal.

As autoras do livro “Casamento à Prova de Bebês”, Stacie Cockrell, Cathy O’Neill e Julia Stone, ressaltam que estudos apontam que até 70% das novas mães se dizem menos felizes em seus casamentos no primeiro ano de vida do bebê.

Essa decepção, segundo as escritoras, tem origem na expectativa das mulheres de que seus maridos tenham os mesmos sentimentos e preocupações que elas em relação ao filho.

O psicólogo Adriano Jardim orienta que, primeiramente, marido e mulher “cimentem” a relação. “É importante que o casal esteja fortalecido, crie laços e um ambiente saudável para o crescimento de uma criança”.

Ele afirma que o filho deve ser motivação. “Dificilmente um filho melhora relação. Ou fica como está ou piora”, pondera o psicólogo.

Além das privações de sono que uma criança traz, todos os rombos nas finanças do casal e a falta de tempo para o sexo, há o seguinte problema: como ficam as responsabilidades e os cuidados com a criança? Isso porque a falta de uma simples fralda descartável pode render brigas homéricas.

Para superar essa fase sem grandes estragos, os especialistas indicam bom humor, generosidade e ajuda mútua.

Os conflitos do casal podem ser amenizados

A psicóloga e escritora Olga Inês Tessari orienta o casal a separar momentos para alimentar a relação. “Eles devem sair pelo menos uma vez por semana para namorarem sozinhos”: isso colabora para que a relação do casal melhore e os conflitos do casal diminuam.

Além disso, ela salienta que “o casal precisa conversar sobre suas necessidades, seus desejos e suas responsabilidades, mas sempre de forma educada e respeitosa. Jamais se deve conversar quando um dos dois está tenso, nervoso”. Isso colabora para minimizar os conflitos do casal.

Outra coisa importante que a psicóloga Olga Tessari traz é que “nunca se deve dar indiretas ou usar o recurso das ‘meia-palavras’, até porque a comunicação entre o casal deve ser muito bem estabelecida: um fala, enquanto o outro escuta sem interromper, prestando atenção e buscando compreender o que lhe foi dito. Só depois é que o outro deve falar, depois de ter compreendido perfeitamente o que lhe foi dito”.

Na grande maioria das vezes, o casal está tenso, a mulher cansada de tantas obrigações! E ela espera dele atitudes que ele nem sabe como tomar! Então o melhor mesmo é ela ter paciência de ensinar ao marido as tarefas que ela espera que ele cumpra, entendendo que, na fase da aprendizagem, os erros são muito comuns”, disse Olga Tessari.

“E ela deve evitar ao máximo criticá-lo ou tomar a frente e ela mesma executar o que ela esperava que ele fizesse. Agindo assim, ela está comunicando a ele, através do comportamento, que é só ele errar que ela vai lá e assume o que deve ser feito. E depois reclama que ele não faz nada para ajudá-la!”, continua Olga Tessari.

Então, é preciso mesmo que ela tenha paciência de ensinar, orientar e corrigir eventuais erros dele com amor! Afinal, se ela quer que ele a ajude, ele primeiro precisa saber como é que faz, não é? Afinal, as mulheres aprendem desde cedo como cuidar dos irmãos menores e executar as tarefas da casa. O menino, em geral, fica fora desse aprendizado.

E Olga Tessari finaliza, questionando: “como a esposa pode querer que o marido tome a frente e a ajude se ele nem sequer sabe como fazer? Com amor e paciência, ela vai ensiná-lo e, com certeza, vai ter um grande aliado nas tarefas novas com o cuidado do bebê”.

Matéria publicada no Jornal A Tribuna ES em 02/10/2011

702

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

olga_tessari
Olga Tessari

Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Consultora em Gestão Emocional e Comportamental, também atua levando saúde emocional para as empresas. Escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro e segue atendendo em seu consultório ou online adolescentes, adultos, pais, casais, idosos e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes! Saiba mais