Voyeurismo

Voyeurismo

Voyeurismo

Todos temos um pouco de voyeurismo. E não se assuste! Especialistas garantem que isso é supernormal e até saudável.

Entrevista com Olga Tessari

Só uma espiadinha!

Então, que tal acabar com a curiosidade e saber mais um pouco sobre esse assunto tão curioso para nós?

Confesso que, quando soube, fiquei curioso em ver o famoso suposto vídeo da Daniella Cicarelli em uma tarde quente de amor nas praias da Espanha. Cheguei na redação e meus colegas já procuravam por todos os sites as tórridas imagens.

Cerca de dez amigos me enviaram e-mails com o vídeo, foi uma loucura. Todo mundo – literalmente – queria dar uma espiadinha e checar a performance da apresentadora. Um voyeurismo em larga escala.

Mais comum do que se percebe, o voyeurismo envolve o ato de observar pessoas, geralmente estranhos, sem suspeitar de que estejam sendo observados, que podem estar nus, despindo-se ou em atividade sexual.

Nas cidades grandes, mais populosas, é comum vermos pessoas nas janelas de seus apartamentos com um binóculo, luneta ou telescópio observando a paisagem no seu entorno, que costuma ser cheio de edifícios. Então, o que elas procuram?

Voyeurismo – Curiosidade?

Mas afinal, por que gostamos tanto de ver um filme pornô, uma foto, uma famosa no maior love com o namorado? O que nos leva a ter esse tipo de curiosidade?

A psicóloga Olga Tessari, de São Paulo, explica:

“É normal, faz parte da nossa formação o interesse de observar outras pessoas. Somos curiosos naturalmente, não é mesmo? Imagina quando se trata de sexo, que é um assunto que sempre chama atenção e que ainda é um tabu para muitos!”, disse ela.

Qualquer meio de comunicação é fonte de fantasias, e todos nós praticamos o voyeurismo continuamente, porém em graus diferentes e com intenções diversas; muitas vezes com intuito sexual, sem ser doença, a mais pura curiosidade.

É coisa de homem?

E quem pensa que tudo isso é exclusividade do homem, está enganado! As mulheres mostram cada vez mais que não têm medo de ver um filme calliente, por exemplo. “Eu fico muito excitada quando assisto a um trailler pornográfico, principalmente quando estou com meu marido”, entrega a vendedora Jaqueline, de São Paulo.

O fato é que se a sociedade está cada vez machista, as Luluzinhas também querem participar desse jogo e o Clube das Mulheres é um bom exemplo.

Clube das Mulheres

“Isso é extremamente saudável. A esposa volta para casa muitas vezes ainda mais animada e, por que não, excitada. Quem ganha com isso é o parceiro”, comenta o sexólogo J. J. Serapião, do Rio de Janeiro.

E que tal uma cena voyeur em casa mesmo? É isso aí! Antes do sexo, tente fazer um strip-tease para começar o clima. Deixe o maridão na cama, coloque uma música interessante, acenda velas comece com uma dança. Aos poucos, lentamente, tire as peças da roupas: um sutiã ali, a calcinha acolá… E o espectador vai à loucura!

Sem exagero

O que não se pode é fazer disso um obsessão.

O voyeurismo precisa ser tratado quando há um prejuízo emocional, isso é, quando a pessoa que o pratica sofre e não percebe. Isso fica visível quando ela deixa a sua vida de lado e se isola.

“A partir daí o indivíduo sente dificuldade de se relacionar com outros, não sente mais interesse em fazer amizades, vive trancado vivendo em função de seu voyeurismo”., disse Olga Tessari e continua:

“Isso acontece muito quando o voyeur tem problemas com a autoestima. Ele se sente feio, nada atraente”, salienta Dra. Olga Tessari.

Matéria publicada na Revista Mais Feliz N° 204 – 20-10-2006

149

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro.

AVISO! É proibida a cópia ou reprodução parcial/integral do conteúdo desse site em qualquer formato e em qualquer lugar, seja para uso comercial ou não, editorial, impresso, canal, blog, site ou rede social. Para compartilhar, use o link ou os botões de compartilhamento. A cópia sem autorização é crime sujeito às penas da lei: não seja o próximo a ser processado judicialmente! (Inciso I Artigo 29 – Lei 9610/98). Solicite sua autorização: clique aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *