• 09 fev 17

Estresse, como lidar?

O estresse é um estado de sofrimento do corpo causado por uma agressão física ou emocional.

Por: Olga Tessari
  • Estresse: como lidar?

    Xô, estresse! 

    Como lidar com o estresse no dia a dia?

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

     

    As tensões de dentro e de fora da empresa podem prejudicar sua saúde.

    Entretanto, é possível contorná-las cuidando melhor da mente e do corpo

    Se reclamar com uma pessoa próxima que seus cabelos estão caindo, ela provavelmente culpará o estresse pelo problema. E, infelizmente, terá grandes chances de acertar, mesmo que não tenha noção exata do significado dessa palavra. A propósito, você sabe ao certo o que ela quer dizer?

    De acordo com o cardiologista Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, o estresse é um estado de sofrimento do corpo causado por uma agressão física ou emocional, como, por exemplo, um acidente ou a perda de um cliente importante, respectivamente. “Cada um encara os traumas de uma forma. A intensidade com que cada um age será maior ou menor de acordo tanto com a formação do indivíduo, na infância e na adolescência, quanto com o seu talento profissional”, esclarece Lopes.

    Portanto, tire da cabeça que estar estressado e preocupado são a mesma coisa: o primeiro estado ocorre quando não se consegue lidar bem com o segundo.

    Há casos – cada vez mais comuns, apontam psicólogos – nos quais a pessoa abre a guarda para eventos negativos, criados por ela própria ao se cobrar por algo que saiu ou pode dar errado. Márcia Rezende, psicóloga e diretora do Instituto Saber – entidade voltada para o desenvolvimento comportamental – explica que, para ficar imune a um problema físico ou emocional, é necessário analisar cuidadosamente o objetivo da interação com o próximo e ter frieza para gerenciar seus impulsos.

    “Se seu sócio não deu retorno para aquele cliente importante, em vez de se render à primeira vontade e brigar com ele, pense no estrago que isso traria para o relacionamento, e direcione esse desejo de fazer algo para uma conversa bem fundamentada, por exemplo. Ao ir embora, a raiva automaticamente levará a chance de o estresse aparecer”, garante Márcia.

    A especialista afirma que a boa análise antes da ação sempre apontará pelo menos três saídas para não ficar com os nervos à flor da pele. “No entanto, driblar conflitos é algo que se aprende aos poucos e, na maioria dos casos, com o amparo de um psicólogo”, avisa a diretora do Instituto Saber.

     

    Fique de Olho

    O auxílio de quem estuda o comportamento humano é indispensável quando o estresse – em situações extremas e com determinadas pessoas – não provoca danos no físico, mas distúrbios como a síndrome do pânico e a depressão.

    “Esses problemas aparecem quando o indivíduo, tenso, não raciocina direito, o que gera mais tensões que, como em uma bola de neve, tiram dele ainda mais a capacidade para pensar. É o chamado estresse psíquico. Ele causa ‘chiliques’ e chega a fazer a pessoa ter a sensação de que está enfartando”, diz a psicóloga Olga Tessari.

    Dona do site www.olgatessari.com, ela dá gratuitamente orientações sobre o assunto por meio de chat e e-mail, esclarecendo pequenas dúvidas ou encaminhando a pessoa para um tratamento psicológico. Contudo, elas surtirão efeito apenas se as doenças ainda estiverem se desenvolvendo – o que, indica Olga Tessari, pode ser percebido quando a pessoa, ansiosamente, tem o hábito de tamborilar os dedos ou mexer os pés compulsivamente, por exemplo.

     

    Origens e conseqüências

    No caso de Cassiano Siqueira, proprietário da Difazzano, atacado e varejo de utensílios para cozinha, localizado em Guarulhos, na Grande São Paulo, procurar um psicoterapeuta ajudou bastante a lidar com o estresse. O agente que motivou o processo foi um calote de cliente tomado no ano passado. A situação financeira de sua empresa não ficou bem – a dívida tirou 60% de sua receita e o empresário passou a ter alterações emocionais e físicas. “Cheguei a chorar ao telefone com o gerente do banco, que tentava me acalmar, e passei a ter preocupações sem fundamento com minhas filhas, que já são adultas. Também fui diagnosticado com um tumor benigno no rosto, e até os amigos começaram a me pressionar para eu enfrentar a cirurgia recomendada”, lembra-se o empresário. Hoje, após sete meses de tratamento, Siqueira reconhece que tem recuperado o prazer pela vida e pelo trabalho. “Semana a semana, vejo que estou melhorando. Tenho voltado a interpretar de maneira mais racional a realidade, e com mais entusiasmo, tanto que comecei a fazer cursos no SEBRAE e voltei a me divertir”, relata.

     

    Cuidados com a rotina

    Na avaliação de Silvania Lamas, proprietária do Instituto Brasileiro de Engenharia, Arquitetura e Proteção Ambiental (Ibea), seus sintomas de esquecer onde põe as coisas e o ganho de peso têm origem na rotina descuidada com relação ao físico e ao lazer. Ela se queixa de nunca encontrar uma brecha para assistir a um filme ou fazer caminhadas. Seu dia-a-dia consiste em manter-se antenada no trabalho das 8h às 2h e ficar à disposição dos compromissos e necessidades de três filhos. Ainda inclui uma péssima alimentação – o almoço pode ocorrer a qualquer horário e, geralmente, é pizza ou salgado. Para piorar, o jantar só sai depois que os filhos chegam da faculdade ou de cursos.

    “Ainda neste ano vou começar a deixar as duas primeiras horas do dia para ir ao clube ou fazer caminhada, atividades que me trarão mais saúde e facilitarão o convívio social”, promete para si mesma a empresária, otimista quanto a evitar o que ocorreu com alguns amigos, os quais chegaram a parar no hospital por se descuidarem de si próprios.

    Fátima Guimarães, especialista em gerenciamento do estresse do Núcleo de Estudos Sobre o Stress (NESS), órgão ligado ao Instituto de Organização Racional do Trabalho de São Paulo (IDORT/SP), diz que, de fato, é possível evitá-lo. E afirma que iniciativas como as planejadas por Silvania são fundamentais para combater o nervosismo cotidiano.

    “É fundamental priorizar atividades em detrimento de outras. Em cidades grandes, se você opta por dormir 10 minutos a mais pela manhã, tem de estar ciente de que certamente terá de acelerar seu ritmo indo para o trabalho e, dessa forma, provocar atritos com quem cruzar seu caminho”, exemplifica.

     

    Em síntese:

    • O estresse é um estado de sofrimento do corpo causado por uma agressão física ou emocional.

    • Estar estressado e preocupado não são a mesma coisa: o primeiro estado ocorre quando não se consegue lidar bem com o segundo.

    • É cada vez mais comum, apontam psicólogos, as pessoas abrirem a guarda para eventos negativos, criados por elas próprias, ao se cobrarem por algo que saiu ou pode dar errado.

    • Analise cuidadosamente o objetivo da interação com o próximo e tenha frieza para gerenciar seus impulsos. Ao afastar a raiva, automaticamente você evitará a chance de o estresse aparecer.

    • Driblar conflitos é algo que se aprende aos poucos e, muitas vezes, é necessário contar com um psicólogo.

    • O estresse psíquico aparece quando o indivíduo, tenso, não raciocina direito, o que gera mais tensões que tiram dele ainda mais a capacidade para pensar.Ele causa “chiliques” e chega a fazer a pessoa ter a sensação de que está enfartando.

     

    Alternativas holísticas

    Erick Schulz, professor de ioga do Instituto Naradeva, centro de referência da cultura indiana no País, aponta que “pessoas que comem e dormem irregularmente, ou andam ansiosamente para lá e para cá, por exemplo, demonstram uma tendência para o estresse”. Ele credita o problema à soma de desgastes físicos e agressões emocionais. “É só pegar os motoboys como exemplo. Eles não comem nem dormem direito para fazer um maior número de viagens e chegam a ter espasmos pelo corpo. Isso é estresse”, diz Schulz, que também é especialista em ayurveda – medicina indiana apontada como uma das mais antigas do mundo.

    Na concepção da ioga, o tratamento deve ser holístico – considera o todo (mente e corpo) e não apenas as partes individualmente. Para isso, os exercícios propostos associam posições do corpo a serem alcançadas ao mesmo tempo que se controla a respiração, fortalecendo o corpo e regulando a oxigenação do cérebro. A ideia é levar o praticante a meditar. “A meditação ajuda o corpo, a mente e o autoconhecimento”, diz Schulz.

     

    Condutas simples e valiosas

    O engenheiro de segurança do trabalho Osny Orselli, da Mundo Ergonomia, especializada em projetar e fabricar produtos e acessórios voltados para o bem-estar postural, diz que, para se ter cabeça, tronco e membros relaxados, é fundamental ficar atento à postura. Seja no escritório, sentado na poltrona de TV ou na mesa de jantar, a pessoa precisa zelar pelo posicionamento do corpo.

    “Quando se sentar, mantenha a região lombar apoiada no encosto e os pés no chão ou apoio, e, caso tenha de ficar muito tempo de pé, em uma posição só, use a cinta lombar”, aconselha Orselli. Ele ainda dá a dica para quando há necessidade de ficar em pé, por muitas horas, e talvez até com as costas arcadas. “Nessa situação, o melhor é apoiar e esticar as pernas em um banquinho, o que evitará o cansaço e a irritação, que podem vir a reboque. Já ao computador, mantenha o monitor na direção de seu rosto e coloque almofadinhas próximo do teclado e do mouse para não tencionar os punhos. Outro hábito saudável é esticar e hidratar o corpo”, complementa.

     

    Corte o mal pela raiz

    O foco do tratamento do estresse deve ser suas causas, e não efeitos. Veja, as dicas para evitá-lo:

    • Separe a vida corporativa da pessoal sem se esquecer que o bem-estar em meio à família é o combustível para o trabalho do corpo e da mente na esfera profissional.

    • Procure alimentar-se seis vezes ao dia com pratos balanceados, principalmente quando ainda tem expediente pela frente, pois é certo: feijoada e prospecção de clientes não combinam. Para ganhar disposição e resistência, tente dormir em média oito horas por noite, e faça uma atividade física, mesmo que sejam passeios com o cachorro. Cigarro, bebidas alcoólicas e outras drogas, obviamente, não são boa ideia.

    • Sempre que puder, quebre a rotina fazendo algo prazeroso e sem caráter de compromisso, como passear de bicicleta. Até mudar o caminho de volta para casa vale.

    • Na empresa, prepare os funcionários para que as tarefas não fiquem todas sobre suas costas. Se não conseguir ficar imune ao estresse, tenha cuidado para não contaminar sócio e empregados, pois a tensão pode aumentar e você ficar ainda pior.

    • Lembre-se: as facilidades da tecnologia da informação como e-mail, celular e notebooks foram criadas para facilitar sua vida. Se uma mensagem está demorando para sair da caixa, dedique-se a outro afazer e impeça que o atraso estrague sua manhã ou tarde.

     

    Colaboraram: Sociedade Brasileira de Clínica Médica, www.sbcm.org.br, (11) 5572.4285; Instituto Naradeva, www.naradeva.com.br, (11) 3862-7321; Núcleo de Estudos Sobre o Stress, www.idort.com, (11) 6847 4400; Olga Tessari, www.olgatessari.com, (11) 2605-6790; Instituto Saber, www.institutosaber.com.br, (11) 3284-4446; Mundo Ergonomia, www.mundoergonomia.com.br, (12) 3941-7242; Instituto Brasileiro de Engenharia, Arquitetura e Proteção Ambiental, www.ibea.org.br, (11) 3262-2128; Difazzano, [email protected], (11) 6468-1243.

     

    Matéria publicada na Revista Meu Próprio Negócio por Thiago Moreira