• 28 fev 17

O peso da fama

A pressão e a falta de privacidade por conta da fama podem colaborar para problemas de relacionamento e de conduta.

Por: Olga Tessari
  • Os bastidores de quem enfrenta o peso da fama

     

     

    Estrelar campanhas publicitárias, ser reconhecido na rua, dar autógrafos, ser convidado para os melhores eventos e faturar milhões. Ah, a fama! Ela pode trazer tudo isso e mais um pouco. No entanto, ela também pode levar a um lado nada glamoroso, que famosos como Britney Spears, Lindsay Lohan e Demi Lovato conhecem muito bem: o fundo do poço.

     

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Ser conhecido e estar no centro das atenções são coisas que acarretam consigo uma vertente muito diferente da beleza e riqueza promovidas pelos holofotes. Afinal, ser famoso é quase como namorar: fácil de conseguir, mas difícil de manter. Concordam?

    Por trás do champagne, das festas e da curtição do mundo encantado das celebridades, existe a pressão de manter-se no topo – pois no mundo do entretenimento, concorrentes existem, e aos montes, todos à espera dos conhecidos cinco minutos de fama, a tal “grande chance” – e a falta de privacidade.

    O reconhecimento do público acarreta uma exposição extrema da imagem e da vida pessoal das celebridades, fato que resulta em uma dificuldade de manter uma vida – e rotina – normal. O que seria uma simples visita ao supermercado ou uma ida ao cinema torna-se uma bagunça, com muitos flashes e gritos.

    De acordo com a psicóloga Olga Tessari, todo esse contexto da fama, que envolve a pressão e a falta de privacidade, pode colaborar para problemas de relacionamento e conduta. “A pessoa vive, constantemente, em uma tensão exagerada, uma ansiedade. É comum que, nesse cenário, ela procure por uma válvula de escape, que pode se transformar em um vício”, explicou a doutora.

    Isso explica a reviravolta na vida de rostos conhecidos, como os das cantoras Britney Spears, Lindsay Lohan e Demi Lovato. Elas carregam em comum o peso da fama desde pequenas.

    Britney começou sua carreira aos oito anos, quando entrou para a “Escola de Artes”, ganhou um agente e participou de alguns musicais. Aos 11 anos, a loira ganhou uma vaga no programa “The Mickey Mouse Club”, do Disney Channel. A partir daí, o sucesso bateu a porta de Britney, que não demorou a arriscar – com sucesso – a carreira solo. Resultado? Aos 21, ela ganhou uma estrela na Calçada da Fama, tornando-se assim, a celebridade mais jovem a ser homenageada no local.

    Para Lindsay Lohan, o peso da fama veio mais cedo. A ruiva foi contratada por uma das maiores agências de modelos do mundo, a Ford Models aos três anos. Após ser garota propaganda de várias grifes mundialmente conhecidas, ela estreou nos cinemas. E agradou. Entre seus filmes mais conhecidos estão “Meninas Malvadas”, “Sexta-feira Muito Louca” e “Operação Cupido”, que marcou seu início nas telonas. Paralelamente, a ruiva soltou a voz e lançou alguns singles.

    Já Demi Lovato ganhou fama aos sete anos, ao interpretar a Angela, da série infantil “Barney & Amigos”. O auge da carreira veio com a franquia “Camp Rock”, também do Disney Channel , como Britney. Como Mitchie Torres, ela virou ídolo de várias adolescentes em todo o mundo. A atriz também emprestou sua voz para a trilha sonora do filme, sendo “This Is Me” a mais famosa, cantada ao lado do astro teen Joe Jonas, com quem teve um breve romance.

    Com tanto sucesso e carreiras bem-sucedidas, é difícil acreditar que elas tenham outro ponto em comum: a passagem por centros de reabilitação. O peso da fama e a perda prematura da infância podem ter criado o cenário perfeito, segundo a Dra. Olga Tessari. “Quanto mais famoso, mais pressão. A criança é levada pelos pais, existe toda aquela coisa do glamour, do dinheiro e do encantamento”, contou. “Mesmo quando ela vai por conta própria, rola uma pressão em relação aos estudos e como conciliar tudo”, explicou. “A criança não consegue levar uma vida normal, passear, fazer amizades e se relacionar”, disse.

    Na busca desesperada para o alívio da tensão gerada pela situação, o vício bate à porta. De acordo com a psicóloga, ele pode se manifestar, além da dependência química, no alcoolismo, na gula e no autoflagelo (como no caso de Demi).

    A lista de famosos com esses tipos de problema é enorme.

    O astro da série “Two and a Half Men”, Charlie Sheen, por exemplo, já perdeu as contas de quantas vezes foi internado na reabilitação por uso de substâncias químicas.

    Outra vítima do peso da fama é Amy Winehouse. Dona de um vozeirão de dar inveja, a inglesa já protagonizou cenas humilhantes por estar fora de si.

    Mas será que podemos culpar unicamente a fama por tantos problemas? Segundo a Dra. Olga Tessari, não. “Vai de pessoa para pessoa. O problema não está na fama em si, mas sim como a pessoa lida com ela”, explicou. “Ela tem que entender a realidade em que vive e aprender a lidar com ela. Um acompanhamento psicológico seria o ideal para ajudá-la nessa missão”, afirmou.

    Felizmente, muitos famosos, que já habitaram o fundo do poço, conseguiram sair dele, como as atrizes Kisten Dunst, Drew Barrymore e a socialite Nicole Richie.

    No mesmo caminho, estão nossas personagens principais, Britney, que está em processo de divulgação de novo álbum, Lindsay, que parece querer colocar a vida nos trilhos, e Demi, que deixou a rehab recentemente.

    Matéria publicada no site MSN Entreterimento por Livia Lanzoni em fevereiro/2011