Obesidade1

obesidade

Obesidade

Entenda as várias causas que provocam a obesidade

Texto de © Olga Tessari

Quem é que nunca tentou uma dieta para emagrecer, conseguiu e depois de um tempo percebeu que o peso voltou a ser o mesmo ou até superior ao que era antes de emagrecer?

Quais são os fatores que levam a pessoa a voltar a engordar e que causam a obesidade?

Por que há gordos e magros?

Obesidade – Causas

Quais são as causas da obesidade?

2% da população de obesos tem problemas glandulares, 8% possuem distúrbios do pâncreas, 30% tem hábitos alimentares errados e cerca de 60% são obesos devido a conflitos emocionais.

Os primeiros 10% da população de pessoas com obesidade deve ser tratada por um médico endocrinologista já que, devido aos distúrbios orgânicos, a pessoa sempre voltará a engordar enquanto não corrigir o problema.

Vamos falar dos 90% restantes, começando pelos 30% que são gordos por hábitos alimentares errados.

Hábitos

O hábito é a segunda natureza do homem! Infelizmente, ninguém nos ensina a comer!

Aprendemos a comer por tentativa e erro: esta comida é gostosa, aquela é horrível e assim por diante. Seguimos os hábitos alimentares de nossos pais (nem sempre corretos).

Além disso, por desconhecermos as necessidades do nosso corpo (em termos de nutrientes), comemos de forma desequilibrada e irregular, gerando uma ansiedade do próprio corpo em querer que você forneça a ele os nutrientes adequados, provocando aquela “gula” insaciável: você come sem parar e nunca se sente saciado uma vez que , com certeza, não forneceu o alimento certo para o seu organismo (e o corpo “ordena” que você continue comendo na expectativa de que você vá fornecer o que ele está necessitando!).

Exemplo: seu corpo está carente de vitaminas e sais minerais e provoca a “gula”, aquele desejo enorme de querer comer que você interpreta como fome: ao invés de você comer frutas ou uma salada (ricos em vitaminas e minerais), ingere bolachas, salgadinhos ou doces (alimentos ricos em carboidratos ) e a “gula” persiste porque você não ingeriu os nutrientes exigidos.

Cultura

Você é de origem italiana ou judia?

Se for, sabe muito bem que as “mamas” só ficam felizes se comermos muito! E que nestas famílias come-se o tempo todo e que tudo é motivo para se comer! E o cardápio é constituído por alimentos altamente calóricos e engordativos! O que acaba provocando a obesidade!

Na nossa sociedade, comemora-se tudo com comida! Encontros, casamentos, aniversários, visitas, cinema, passeios, em todas as situações o alimento está presente de forma marcante! Quem nunca ouviu alguém dizer: “hoje eu vou a uma festa, vou fazer jejum o dia todo para comer na festa tudo o que eu tenho direito e até um pouco mais?” Ou ainda: “eu vou ao Shopping só para comer naquele fast-food!”

Temos hábitos alimentares da época em que vivíamos do trabalho no campo, onde era necessária a ingestão de grande quantidade de alimentos altamente calóricos para que pudéssemos ter energia suficiente para podermos plantar, colher etc. Hoje em dia, vivemos em cidades, onde nosso gasto energético é ínfimo, mas a alimentação continua a mesma… Consequência: engordar!

Obesidade – Conflitos Emocionais

Os conflitos emocionais: 60% dos obesos!

Um exemplo de como o alimento possui um forte componente emocional começa na infância: imagine um bebê no berço que chora porque está incomodado com uma luz forte que o impede de abrir os olhos. A mãe vem correndo com uma mamadeira enorme dizendo que o bebê está chorando porque está com fome (para a mãe qualquer choro do bebê é sinal de fome!). O bebê suga toda a mamadeira, fica prostrado e com uma sensação física muito agradável pela ingestão exagerada de alimento e passa a associar que, quando está incomodado com algo, é só comer que o problema desaparece! E continua neste comportamento pela vida afora, toda vez que se sentir incomodado com algo…

Outro exemplo: quem é que nunca ouviu da mãe que, se comesse tudo, seria uma criança boazinha ou que o irmão dela é mais querido pela mãe porque sempre come tudo (com fome ou sem fome)?

Passamos a associar amor e afeto com comida: “se eu comer tudo, a mamãe vai gostar mais de mim”…

Mais um exemplo: uma pessoa que morre de medo de viajar de avião: ingere muitas bebidas alcoólicas ou calmantes, fica bêbado ou sedado e, aparentemente, supera o seu medo (é como se o seu conflito/medo houvesse desaparecido!).

Sempre que há algum conflito emocional como a ansiedade, tensão, agitação, solidão, tédio, carências, perdas – de namorado, marido, de emprego, etc., planos que não dão certo, excesso de obrigações, falta de lazer, privações ou outros conflitos e/ou problemas, é natural que se busque uma forma de acabar com este conflito – ninguém gosta de ficar sofrendo! Só que a forma que procuramos para acabar com ele nem sempre é satisfatória.

Alguns exemplos: beber, ingerir calmantes, drogar-se, criar manias, brigar, isolar-se, comer! O problema não desaparece, apenas fica em segundo plano, fora da consciência por um certo tempo, retornando com toda força depois, levando a pessoa a buscar novamente o alívio temporário!

Esse círculo vicioso não tem fim porque o conflito não é resolvido, apenas sufocado!

Falta de Prazeres

Outro fator que leva à ingestão exagerada de alimentos é a falta de prazeres e de coisas boas acontecendo na vida!

Observe que o gordo é uma pessoa aparentemente feliz, sem problemas, que está sempre rindo e brincando! Na realidade, ele está abarrotado de serotonina, uma substância secretada no organismo pela ingestão maciça de alimentos e que é responsável pela sensação de prazer, alegria e bem estar!

E o gordo fica cada vez mais gordo justamente porque acaba trocando muitos prazeres da vida pelo prazer de comer: porque chama muito a atenção, não vai à praia, clube ou caminha pela rua; não consegue namorar porque ninguém deseja um gordo (é assim que ele pensa e que a mídia enfatiza); priva-se de sair também porque seu excesso de peso é um fardo para carregar, não tem roupas agradáveis e na moda para usar ou os lugares não acomodam bem os gordos (as cadeiras são pequenas e frágeis demais para eles, por exemplo).

E cada prazer que é eliminado de sua vida é substituído por comida: a consequência é comer cada vez mais uma quantidade maior de alimentos e engordar cada vez mais!!!

Como se pode verificar, existe uma gama enorme de fatores que provocam a obesidade. Quando se come para abafar um conflito, este não é resolvido e outro conflito aparece: o aumento de peso! E a ansiedade leva à uma ingestão maior de alimentos, provocando um aumento de peso cada vez maior!

Para emagrecer é preciso que se investigue a fundo esse fatores!

E, principalmente, aprender a lidar com os conflitos da forma adequada!

9

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

olga_tessari
Olga Tessari

Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Consultora em Gestão Emocional e Comportamental, também atua levando saúde emocional para as empresas. Escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro e segue atendendo em seu consultório ou online adolescentes, adultos, pais, casais, idosos e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes! Saiba mais

www.ajudaemocional.com