• 28 fev 17

O poder do perdão

O perdão proporciona paz e é um recomeço de uma nova etapa na relação com a pessoa perdoada.

Por: Olga Tessari
  • O poder do perdão

     

    O poder do perdão – Desculpar o erro alheio é recuperar a paz

    Entrevista com © Dra Olga Inês Tessari

    Pare por um minuto e pense em uma ferida antiga, em alguém que te fez sofrer e que você não conseguiu perdoar. Possivelmente, você acabou de ter um aumento da pressão sanguínea, dos batimentos cardíacos e da tensão muscular. Foi por meio desse mesmo teste que o psicólogo americano Frederic Luskin, autor do livro O Poder do Perdão (Editora Francis), pôde concluir que o ato de perdoar melhora não só a saúde emocional, como também aumenta o bem-estar físico de quem o pratica.

    Após ter sido magoado por um grande amigo, o estudioso passou a investigar o assunto. “O perdão é a experiência interior capaz de recuperar a calma e a paz, não só com o outro, mas consigo mesmo”, diz Luskin no seu site “Learning To Forgive”, em português “Aprendendo a perdoar”. Mas, se o perdão proporciona tantos benefícios, por que é tão difícil desculpar um erro e se livrar do ressentimento?

    Para a psicoterapeuta Olga Tessari, não há força de vontade que possa eliminar as lembranças da vida, já que todos os acontecimentos ficam gravados no inconsciente. Por outro lado, com o perdão, é possível se livrar da angústia causada pelas mágoas passadas. “Não esquecemos os fatos que nos feriram, mas podemos parar de sofrer por causa deles. A pessoa que realmente perdoa, para de se torturar pelo ocorrido e o considera apenas um capítulo da sua história.”

    Segundo a especialista, a grande dificuldade em perdoar passa pelo processo de sair do papel de vítima da situação para compreender o erro do outro. “A pessoa não perdoa porque não aceita ter sido magoada ou não consegue entender os motivos que levaram o outro a magoá-la”, diz. Também é muito comum o indivíduo não compreender a atitude alheia porque ele jamais faria o mesmo. “É preciso saber que cada um age e se comporta de forma diferente.”

    Olga também ressalta que para realmente perdoar é preciso encerrar o assunto. “É fundamental se entregar à construção de uma nova etapa no relacionamento”, afirma. Caso a página não esteja totalmente virada, é necessário tempo para que a confiança volte novamente a fazer parte da relação. “No caso de uma traição, por exemplo, é comum que, mesmo perdoando, a pessoa desconfie da outra. Por isso, é importante dar um tempo.”

    E se desculpar alguém já é difícil, a tarefa fica ainda mais complicada quando se dá ouvidos à opinião de terceiros, uma vez que é natural que pessoas próximas julguem a situação. “Perdoar é também ter que se sujeitar a ouvir críticas e comentários dos outros.”

    No entanto, se o perdão diminui a tensão, traz alívio, tranqüilidade e paz, seja qual for o obstáculo, não há motivos para, pelo menos, não tentar. “É uma sensação similar a que temos quando nos sentimos com o dever cumprido. E é um recomeço de uma nova etapa na relação com a pessoa perdoada e a cicatrização da ferida que não vai mais doer”, conclui a psicoterapeuta.

    Matéria publicada no site Abílio Diniz por Mariana Teodoro em 02/06/2011