Traição sempre existiu

Traição sempre existiu

Traição sempre existiu

Entenda porque homens e mulheres traem

Entrevista com Dra Olga Tessari

Traição sempre existiu na sociedade

A temida traição sempre existiu na sociedade, homens e mulheres traem. Porém, a infidelidade masculina sempre foi alvo do assunto e a mulher, que também trai, fica um pouco fora dos comentários sobre o assunto.

Com a liberdade e com as conquistas que nós mulheres temos nos dias de hoje a “puladinha de cerca” não assusta mais o público feminino, não que seja certo ou errado, porém, a mulher sente-se mais livre para seguir seus desejos.

Segundo a Psicoterapeuta Olga Tessari, a traição sempre existiu e os motivos são muitos: “Questões culturais, carências, insatisfação em relação a desejos e expectativas com o (a) parceiro (a), vingança, a busca pelo novo, o estímulo provocado pela sensação de perigo, ou mesmo de poder são alguns dos problemas”.

Muitos casais evitam o diálogo e os pequenos problemas que poderiam ser resolvidos com a conversa se transformam numa “bola de neve” como esclarece a Doutora.

“Essa comunicação é transferida para outra pessoa. Opta-se, neste caso, por uma saída aparentemente mais fácil. Por vários motivos, é excluída a possibilidade de aceitar o outro como ele é. Ao invés de tentar crescer com seu parceiro, algumas pessoas passam a acreditar que só terão alegrias, emoções e crescimento fora do casamento”, disse Tessari.

Para a estudante de 21 anos Karina* que saiu de um relacionamento de 3 anos, a traição foi como um refúgio.

“Sentia que meu namoro já não ia muito bem, eu não procurei trair, aconteceu, acabei descontando meu sentimento negativo em outra pessoa, foi um momento de carência” explica.

Para Olga Tessari, o comodismo nas relações é um ponto forte para os casais cometerem os adultérios e esses conformismos geram pessoas insatisfeitas e ressentidas.

“Mais dia menos dia, elas podem ser levadas a buscar, em outra pessoa, aquilo que ficou reprimido, por muito tempo, no relacionamento que está vivendo: é como se fosse buscar lá fora aquilo que falta no relacionamento do casal”, disse a psicóloga.

Não existe homem e mulher perfeita, apesar da mídia idealizar corpos e rostos de bonecas, o problema muitas vezes é com o próprio casal, com a falta de diálogo, com os comodismos e quando o amor entre ambos acabou, o medo de ver o fim do relacionamento, de sofrer pela perda de status, de amigos e outras perdas pode gerar a infidelidade.

Aceitar ou não a traição?

As mulheres, muitas vezes porque mantém uma dependência econômica dos seus maridos, tendem a aceitar mais a traição do que os homens, além de temerem pelo bem-estar dos filhos, uma vez que a separação pode trazer muito sofrimento para eles.

Dr. Olga explica que a postura que adotam é da “mãe compreensiva” e pelo desejo de preservar a família. Já os homens fazem de tudo para não aceitar a traição ou fingir que não sabem, eles são os mais adeptos do ditado

“O que os olhos não veem o coração não sentem”, e necessitam de uma explicação perante a “sociedade” que aceita melhor a traição masculina do que a feminina.

No geral, a psicoterapeuta comenta: “ A menos que a relação seja totalmente destituída de sentimentos, é muito difícil suportar a infidelidade, mas, para a maioria das pessoas, ela ainda é um acontecimento muito mais suportável do que a separação”.

Lembrando que na teoria todos temos os melhores conselhos, mas na prática agimos de maneira diferente e quando a traição torna-se constante, os sentimentos devem ser “organizados” e as atitudes bem pensadas.

Matéria publicada no site Auto Imagem por Talita Scotto em janeiro/2007

T3-140

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Facebook – Youtube – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro, apontando caminhos para ser feliz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *