Consequências do ciúme

Consequências do ciúme

Consequências do ciúme

O ciúme atrapalha o relacionamento: falta de apoio, compreensão e diálogo podem encerrar um namoro

Entrevista com Olga Tessari

Um dos elementos mais complicadores num relacionamento amoroso é o ciúme. Às vezes, uma amizade mais próxima, um contato para sair ou mesmo uma ligação por engano no celular já indica uma briga que pode ocasionar o fim do namoro.

A falta de diálogo, compreensão e, até mesmo, um acompanhamento psicológico para casos extremos, podem ajudar a evitar que o ciúme caminhe para um conflito mais intenso e interfira de forma negativa e transforme a união em lágrimas e tristeza.

O lado bom do ciúme

A psicóloga e psicoterapeuta Olga Inês Tessari coloca que o ciúme pode ser encarado de forma positiva.

“Como dizia o poeta, o ciúme é o tempero do amor. Todos nós gostamos de sentir que a pessoa que amamos sente algum ciúme de nós, pois entendemos isto como uma demonstração de amor, uma medida de segurança do nosso relacionamento. As pessoas pensam que a ausência do ciúme é sinal de desinteresse, o que não é verdade”, alerta Olga Tessari.

A auxiliar administrativa Paula dos Santos Barbosa, 21, se acha uma pessoa ciumenta, mas afirma que isso não atrapalha o seu relacionamento de pouco mais de um ano.

“Eu e meu namorado somos bastante ciumentos. Quando o conheci ele brincava com muitas meninas, abraçava, essas coisas, e eu também com meninos amigos meus. Daí a gente conversou, explicamos um ao outro nosso ciúme e resolvemos de comum acordo respeitar um ao outro”, diz Paula.

Desde então, ambos acabaram com o que Paula chamou de “gracinhas” com os amigos, apesar de manter contato normal com eles. “É preciso renunciar algumas coisas quando se quer ficar bem com a pessoa amada. Porque quando você está com alguém não é pra você se fazer feliz, mas pra fazer o outro feliz”, acredita.

Mas nem sempre os casais conseguem soluções pacíficas para se manterem juntos.

Consequências do ciúme

A psicóloga Olga Tessari explica que as pessoas são levadas a se tornarem possessivas sobre as coisas que possuem, por conta da educação que recebem e da cultura da sociedade.

“Assim, fica mesmo difícil eliminar o ciúme, mas é possível mantê-lo num patamar aonde a pessoa ciumenta não sofra e nem provoque sofrimento para aqueles que estão à sua volta”, conclui Olga Tessari.

Ciúmes – Tenha cuidado na dose

Ciúme de vez enquando não faz mal a ninguém. Pelo menos é esse o pensamento de grande parte das pessoas que vem esse sentimento como a demonstração de amor ao outro. Porém, o ciúme costuma atrapalhar na medida em que a relação amorosa sofre constantes entraves e brigas, por causa desse ciúme que se transforma em algo ruim .

Para explicar um pouco melhor como funciona o ciúme e até que ponto ele é considerado normal, além do que pode causar quando o comportamento da pessoa passa a se tornar possessivo, conversamos por e-mail com psicóloga e psicoterapeuta Olga Tessari.

Confira os principais trechos da entrevista.

*as respostas de Olga Tessari estão registradas de acordo com a Lei dos Direitos Autorais

Site Padre Marcelo Rossi – O ciúme é algo normal?

Dra. Olga Tessari: Uma certa dose de ciúme é normal e natural: seria algo como um termômetro que mede o interesse de uma pessoa. Mas isso não quer dizer que, quanto mais ciúme, mais interesse, pelo contrário, quanto maior o ciúme, menos “normal” ele se torna!

Site Pe. Marcelo – Até que ponto ele pode atrapalhar um relacionamento? Quais são as consequências do ciúme exagerado?

Dra. Olga Tessari: Todas as pessoas ciumentas têm um forte sentimento de posse em relação ao outro, a ponto de considerá-lo como alguém que lhes pertence, como se ele fosse um objeto seu.

É claro que, quando se chega a este ponto, o relacionamento entra em crise, justamente porque ninguém quer se sentir um objeto de ninguém, um bibelô, alguém pronto a satisfazer os desejos do outro e que deve estar sempre à disposição dele. Além do mais, qual é a pessoa que se sente bem sendo vigiada e controlada o tempo todo?

Entre as consequências do ciúme, está o fato da pessoa alvo do ciúme querer terminar a relação, mais cedo ou mais tarde por não suportar mais a desconfiança do ciumento.

Site Pe. Marcelo – O ciúme tem a ver com a desconfiança gerada pelo outro ou é pura “paranoia” de quem tem ciúme?

Dra. Olga Tessari: Uma pessoa enciumada tem sempre a sensação iminente de que vai perder a pessoa amada a qualquer momento e sente esta ameaça de perda em todos os lugares e em todas as pessoas que se aproximam da amada!

O ciúme tem como causa uma insegurança externa ou interna.

a) causa externa: o(a) parceiro(a), de alguma forma, dá motivos que provocam insegurança: já traiu antes ou tem atitudes que promovem insegurança no relacionamento. Neste caso, é o(a) parceiro(a) quem acaba por gerar o ciúme!

b) causa interna: A própria pessoa é insegura consigo mesma e tem motivos da sua vivência anterior para se sentir assim. Neste caso, é preciso que ela faça um tratamento psicológico para aprender a ter confiança e segurança em si mesma, aprendendo a lidar de forma positiva com sua ansiedade, insegurança e ciúmes, porque o ciúme pode acabar com um relacionamento.

Site Pe. Marcelo -Esse ciúme mais forte é pelo fato da característica da pessoa ser possessiva?

Dra. Olga Tessari: De uma certa forma, pela própria educação que tivemos, todos nós somos um pouco possessivos quando queremos que alguém fique conosco ao nosso lado e desejamos que esta pessoa tenha toda a sua atenção voltada só para nós!

Todas as pessoas ciumentas têm um forte sentimento de posse em relação ao outro, a ponto de considerá-lo como alguém que lhes pertence, como se ele fosse um objeto seu. Então, quanto mais ciumenta for a pessoa, mais possessiva ela se torna a ponto de querer ter o domínio total de todos os passos de seu parceiro.

Site Pe. Marcelo – O ciúme é uma doença? Como é visto o ciúme na Psicologia?

Dra. Olga Tessari: Não é uma doença no sentido médico, mas um distúrbio de comportamento que gera sofrimento, tanto para aquele que tem ciúmes como para aquele que é o objeto do ciúme. Ele é um dos sintomas de uma pessoa com baixa autoestima e muito insegura que age, sem perceber para que seu relacionamento acabe: essa é uma das piores consequências do ciúme.

Site Pe. Marcelo Rossi – O que é preciso fazer para a pessoa controlar esse ciúme?

Dra. Olga Tessari: A pessoa ciumenta, além de causar sofrimento, também sofre muito com seu ciúme, tem baixa autoestima, é uma pessoa insegura e dependente, deixa-se levar por sua imaginação, a qual está sempre voltada para o negativo (ela sempre imagina o pior!).

Ela precisa de tratamento psicológico para elevar a sua autoestima e, dessa forma, preservar o seu relacionamento. Já vi uma infinidade de casos em que relacionamentos terminam por causa do ciúme.

E, pior ainda, esta pessoa ciumenta, que causou o término deste relacionamento, fica mais insegura ainda com o fim desta relação e, certamente, num próximo relacionamento, será mais ciumenta ainda, o que gera um círculo vicioso sem fim, com um sofrimento cada vez maior!

Matéria publicada no site do Padre Marcelo em janeiro/2005 e outubro/2005

C2-249

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Leia o livro Dirija sua vida sem medo

Um livro para todos aqueles que sofrem com seus medos, ansiedade, estresse, timidez, etc.

Leia o livro Amor X Dor: caminhos para um relacionamento feliz!

Leia o livro Amor X Dor

Um livro que aponta caminhos para ter e/ou manter um relacionamento feliz pela vida afora!

Siga Olga Tessari nas redes sociais: Youtube – Facebook – Instagram – Twitter – Linkedin

Olga Tessari

Olga Tessari, Psicóloga (CRP06/19571), formada pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisa e atua com novas abordagens da Psicologia Clínica, em busca de resultados rápidos, efetivos e eficazes, voltados para uma vida plena e feliz. Ama o que faz e segue estudando muito, com várias especializações na área. Também é escritora, autora de 2 livros e coautora de muitos outros. Realiza cursos, palestras e workshops pelo Brasil inteiro. E ela segue atendendo em seu consultório ou de forma online (pela internet) adolescentes, adultos, pais, casais e famílias inteiras que buscam, junto com ela, caminhos para serem felizes, cada um com sua própria definição do que é felicidade!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *